Trabalho remoto: 5 aprendizados de quem já teve essa experiência

postado em: Marketing Digital | 0

home-office-Coronavirus Trabalho remoto: 5 aprendizados de quem já teve essa experiência

Em tempos de coronavírus, o trabalho remoto é uma nova realidade para muita gente. Veja como navegar por esse momento, com alguém que teve essa experiência

Com o crescimento dos casos de coronavírus no Brasil, e também no intuito de evitar novos contágios, muitas empresas estão estimulando ou mesmo decretando que os funcionários não mais se dirijam às sedes – incluindo a RD. O trabalho remoto passou a ser uma realidade para milhares de brasileiros, exigindo algumas adaptações do dia a dia.

Pensando em ajudar quem está tendo que lidar com essa situação, resgatamos um post do Ricardo Palma, que trabalhou na RD por quase 9 anos. Ele contou um pouco da sua experiência com trabalho remoto em duas situações: quando era analista e quando era gestor. Assim, trouxe dicas para diferentes carreiras – com certeza, você se encaixa em uma.

Antes de seguirmos, vale deixar o registro de dois sites em que você pode se informar apropriadamente sobre o coronavírus: o do Ministério da Saúde do Brasil e o da Organização Mundial da Saúde (em inglês). Este post é específico para trabalho remoto ou home office, não trazendo recomendações sobre prevenção ou saúde pública.

Temos também um post especial no Blog Agência de Resultados, com dicas para gestores de times remotos. Ele é útil para agências de Marketing e, também, para empresas de diversos tamanhos e setores. Então, se você é líder de um time trabalhando à distância, terá bons insights.

Fizemos algumas alterações no texto original do Ricardo, para inseri-lo melhor no momento atual. Continue lendo e, ao final, deixe sua contribuição nos comentários. Quem sabe uma prática de trabalho remoto não possa ajudar alguém que está tentando se adaptar!

Ascensão do trabalho remoto

Trabalho remoto é um tema que tem sido amplamente discutido, e diversas empresas vêm adotando essa cultura. Apenas para citar alguns exemplos: Trello, Buffer, Zapier, WordPress e brasileiras como a Supersonic possuem grande parte do time trabalhando remotamente.

Assim, já há um histórico de boas práticas que podem ser seguidas nesta crise do coronavírus. Compartilhar conhecimento é ainda mais importante em momentos dramáticos, unindo a humanidade no sentido de vencer a pandemia o mais rapidamente possível.

Veja a seguir alguns aprendizados que eu, Ricardo, tive ao trabalhar remotamente em dois diferentes momentos de 2017. As tecnologias não mudaram muito, apenas evoluíram. Espero que o que eu aprendi seja útil para você!

Aprendizados de trabalho remoto como analista

Em maio de 2017, como analista de marketing responsável por conteúdo para geração de Leads, estava envolvido em um projeto que tinha como uma das etapas a condução de um benchmarking com empresas em São Francisco e Vale do Silício.

A viagem durou aproximadamente 40 dias. Para conseguir dar conta de algumas atividades-chave no Brasil e, em paralelo, focar no projeto e no benchmarking nos Estados Unidos, mudei minha rotina de trabalho e contei bastante com o apoio do meu time para assumir algumas atividades que eu conduzia no dia a dia.

Aliás, nessas horas o trabalho em equipe é fundamental. Seja para uma viagem como essa, um período de férias prolongadas, uma licença ou um envolvimento em algum projeto grande, poder contar com a equipe é fundamental!

No meu caso, esse trabalho remoto ainda tinha o agravante de estar em um fuso horário de 4 horas a menos que o horário em Florianópolis, onde fica nossa sede.

No geral foi uma experiência profissional e pessoal muito boa. Foram diversos aprendizados em variadas frentes, porém quero destacar aqui 3 delas que tiveram bastante relação com trabalho remoto:

Organizar a rotina para ter uma intersecção de horários e estar disponível

Com 4 horas a menos, era comum acordar por volta das 7h e já ter várias notificações e emails da operação no Brasil. Afinal, já era quase horário do almoço lá na sede (sim, meu time almoçava às 11h30).

Para conseguir conciliar as duas frentes, pela manhã minha prioridade era dar atenção às atividades do Brasil, prevendo que frequentemente isso não seria possível por conta de algum evento ou reunião. À tarde era quando eu concentrava o maior esforço no projeto, nas reuniões e benchmarkings.

Aqui destaco também a expectativa e a importância da comunicação assíncrona (quando uma conversa não é em tempo real). Muitas vezes essas notificações que eu via pela manhã eram de algumas horas atrás.

Uma vez que o time não sabe se você está em frente ao computador ou se está focado em uma tarefa, é esperado que você demore um pouco para responder. De qualquer forma, o importante é não deixar de dar atenção. Para essas comunicações, nós usamos o Slack.

Com o coronavírus, temos duas situações diferentes: o fuso horário do time é o mesmo, mas não há ninguém presencialmente na sede. Assim, é ainda mais importante ter um calendário de dias e horários bem definidos de reuniões e atividades.

A questão da comunicação assíncrona também é uma realidade, mesmo que o relógio marque o mesmo horário para todos. Se antes era só ir até a mesa do colega para tirar uma dúvida ou pedir alguma coisa, agora é preciso mais paciência para esperar uma resposta no chat – seja Slack, WhatsApp ou o que você usar na empresa.

Trabalhar em um local exclusivo

Tem gente que consegue trabalhar de casa. Não sou desses. Durante minha estadia lá, usei o Galvanize, um coworking no coração de São Francisco, a meia quadra do prédio do LinkedIn e do Optimizely.

Para mim, “ir ao escritório” faz diferença para entrar no mindset de trabalho e ser mais produtivo. Além disso, o fato de estar em um coworking me possibilitou fazer networking e conhecer pessoas importantes para o projeto.

Bom, em 2020 eu não teria essa opção. Afinal, não seria muito produtivo sair de um ambiente coletivo, como a empresa, e ir para outro, como um café ou um coworking – mesmo que esses estabelecimentos também certamente estejam tomando precauções.

De qualquer forma, o aprendizado pode ser adaptado ao momento. Se você tiver essa possibilidade, defina um cômodo ou mesmo uma mesa da sua casa como o local de trabalho remoto nesse período. Ali, só se trabalha.

Mesmo que não seja um ambiente completamente diferente, estar nesse “escritório” pode ajudar você a separar as coisas – o mindset de trabalho que falei acima. Tire pequenos intervalos em locais diferentes da casa, ou mesmo fora, e lembre-se de lavar bem as mãos ao retomar a tarefa que estava realizando.

Manter normalmente as cerimônias do time

Apesar de estar remoto, é importante manter o compromisso de continuar, sempre que possível, com a rotina de reuniões do time. No nosso caso, na época, as reuniões semanais. Isso é importante por diversos motivos, mas destaco dois:

  • Manter o time remoto atualizado sobre os projetos nos quais está envolvido e compartilhar conhecimentos adquiridos que podem ajudar uma ou mais pessoas em algum objetivo;
  • Saber como será o envolvimento com o projeto naquela semana, conseguir planejar as atividades e delegar o que for preciso.

Além disso, é fundamental manter o máximo de normalidade e o senso de unidade em momentos complicados, como o da crise de coronavírus. Para participar dessas reuniões, uma ferramenta que nos ajuda muito é o Zoom.

O Google lançou, agora em março de 2020, um ótimo guia para melhorar a qualidade das suas videochamadas. Quanto melhor for a comunicação, menos desagradáveis serão as reuniões e esse período de clausura.

Aprendizados como coordenador parcialmente remoto

Algumas das coisas que mais me atraem em uma empresa de crescimento acelerado são a velocidade com que as coisas acontecem, os desafios que esse crescimento traz e o aprendizado que tudo isso gera ao longo do tempo.

No final de 2017, em mais um desses momentos de mudança, assumi a coordenação de um time dentro do Marketing da RD. Somado a isso, veio um contexto pessoal de mudança para outra cidade, de onde eventualmente faço trabalho remoto.

A principal diferença que percebi nesse contexto comparado ao anterior é que, por ser um time todo presencial, essa posição exigia que eu estivesse disponível dessa forma. Isso porque são muitas as decisões no dia a dia, não apenas com o time, mas com outras áreas da empresa, que seriam dificultadas no modelo remoto.

Para tornar possível esse trabalho remoto no curto prazo, junto com o time, pensamos em como adaptar nossa rotina. Ou seja, é algo parecido com as adaptações rápidas que muitos times estão tendo que enfrentar agora com o coronavírus.

Naquele momento, tivemos 2 aprendizados importantes, que podem ser replicados agora por gestores que estão tendo que fazer mudanças rápidas:

Métodos ágeis para o acompanhamento das entregas

O primeiro passo foi definir um formato de acompanhamento do time. Não digo o acompanhamento na relação entre coordenador e contribuidor individual, mas a ciência do próprio time sobre o que as outras pessoas estão fazendo naquela semana e naquele dia.

Começar a trabalhar com metodologias ágeis trouxe maior transparência sobre o que cada um estava fazendo, e hoje o time acaba ajudando mais um ao outro quando vemos que uma pessoa está com uma carga maior naquela sprint.

Para isso, conhecer a metodologia e saber como adaptá-la à sua realidade é fundamental, e contar com uma ferramenta para centralizar ajuda bastante no dia a dia. No nosso time (e em outros da empresa), nós usamos o Trello.

Organizar a agenda de cerimônias (reuniões)

Uma das coisas que me ajudou a planejar a execução desse modelo de trabalho foi definir dias fixos para a agenda de cerimônias do time. Por cerimônias entenda-se reuniões e outros encontros com todo o time remoto.

  • Uma reunião semanal na terça-feira (presencial) na qual conversamos sobre a sprint e planejamos a próxima;
  • Daily “todos os dias”: uma reunião de 5 a 10 minutos onde cada um atualiza o que está fazendo no dia e traz algum eventual problema que está impedindo uma entrega. Todos atualizam o Trello e participam por videochamada;
  • Reuniões de 1-1: concentrei todas em um dia da semana. Estando remoto, fazer 1-1 via Zoom ajuda a ter uma agenda fixa onde quer que eu esteja. Como são apenas duas pessoas, é possível fazer por WhatsApp Vídeo, caso você prefira.

Mais uma vez, vale reforçar: não deixe de realizar as reuniões. Mesmo com o meme que diz que “o coronavírus está fazendo as pessoas perceberem que algumas reuniões poderiam ser emails”, é importante manter a rotina e o sentimento de normalidade no time remoto.

Se você perceber, durante o período de trabalho remoto, que de fato algumas das reuniões podem ser eliminadas, deixe para fazer isso quando a crise passar. Muitas pessoas vão sentir falta do contato com os colegas no período de confinamento, então é melhor não eliminar esse momento.

Trabalho remoto é um aprendizado coletivo

Certamente muitos outros aprendizados estão por vir conforme mais pessoas forem ficando em casa, com trabalho remoto. Assim, esses são apenas alguns que considerei serem as principais alavancas que me ajudaram a colocar tudo em prática. Deixe suas boas práticas nos comentários!

O bom também é poder contar com outras pessoas bem experientes no assunto e que estão fazendo o modelo acontecer. O guia “Como aderir ao trabalho remoto”, do Trello, reúne muitas outras dicas sobre o assunto.

Acesse também nosso Kit de Produtividade para Pequenas e Médias Empresas. Ele traz ferramentas, templates e planilhas para diversas áreas do seu negócio. Esses materiais podem ajudar a facilitar os processos neste período de coronavírus e trabalho remoto. Juntos, porém à distância, vamos passar por essa!

Fonte:https://bit.ly/2WOSvkv

Home office: o que é, como fazer e boas práticas para render em casa

postado em: Marketing Digital | 0

home-office Home office: o que é, como fazer e boas práticas para render em casa

Com a união da humanidade para conter o coronavírus, muitas pessoas estão tendo que trabalhar de casa pela primeira vez. Reunimos algumas dicas para ajudar quem está conosco nessa!

Home office, em inglês, é um espaço de trabalho dentro de casa, como um escritório ou um cômodo adaptado. No Brasil, a expressão “fazer home office” virou sinônimo de trabalhar em casa. Com o avanço das telecomunicações, o home office está cada vez mais inserido no contexto profissional.

Trabalhar em casa, até pouco tempo atrás, costumava ser uma questão de escolha para profissionais de alguns setores. Fazer home office por um dia para se concentrar melhor, por questões familiares ou de saúde era um benefício oferecido por algumas empresas. Outras permitem o trabalho remoto contínuo, um desafio dos tempos modernos. Para muita gente, esse contexto mudou completamente com a pandemia de coronavírus, ou Covid-19, no começo do ano de 2020.

O post que você está lendo foi escrito nesse contexto. Daqui a algum tempo, quando isso tudo passar, ele será atualizado e vamos retirar as menções à doença. Agora, porém, entendemos que precisamos ajudar nossos clientes, parceiros e o público em geral a lidar da melhor forma com o trabalho remoto. Vamos trazer boas fontes e nosso próprio expertise, já que a RD conta com times em diferentes cidades e muitos profissionais em home office. Esperamos que o conteúdo seja útil para você!

Antes de continuarmos, vale mais um contexto em tempos de coronavírus. Nós aqui da RD temos consciência de que somos privilegiados por podermos fazer home office. Você, a esta altura dos acontecimentos, se estiver na mesma situação, também já deve ter percebido isso. O fato de podermos trabalhar remotamente deve ser recebido com gratidão, e devemos fazer o que estiver ao nosso alcance para diminuir os riscos das pessoas que não têm essa possibilidade – e elas são ampla maioria.

Enfim, estamos todos juntos nessa, e vamos sair também todos juntos! Continue lendo o post e, ao final, deixe ainda as suas dicas de home office nos comentários.

O que é home office?

Home office, em inglês, é um espaço de trabalho dentro de casa, como um escritório ou um cômodo adaptado. No Brasil, a expressão “fazer home office” virou sinônimo de trabalhar em casa. Talvez devêssemos repensar alguns anglicismos desnecessários, mas isso é assunto para outro post.

Vale ressaltar, porém, que “trabalho remoto” – que até usamos neste post – não seria uma tradução perfeita. Isso porque home office é específico para trabalho em casa, enquanto o trabalho remoto pode ser feito em diferentes locais – como um café, um coworking ou o sofá daquele amigo que tem a internet mais rápida que a sua. Não abuse da amizade!

Associamos o avanço das tecnologias de telecomunicação e da internet ao home office. Afinal, em geral, os trabalhos realizados remotamente hoje são quase todos feitos pelo computador:

  • Programação;
  • Produção de textos;
  • Design gráfico;
  • Estratégias de Marketing Digital e até mesmo vendas.

Mas será que são só coisas modernas mesmo?

É bem possível que, na história da sua família, haja um avô ou avó que fez um home office mais “raiz”. Talvez até seus pais. Era muito comum o trabalho de costureiras em casa ou a “venda” no andar de baixo do sobrado – a famosa “lojinha”. Hoje em dia mesmo, a cozinha é o “home office” de muita gente que produz alimentos para vender.

Isso para não puxar para um passado ainda mais distante, como os ferreiros, artesãos e apotecários medievais que criavam seus produtos e atendiam seus clientes em suas casas. Aí veio a Revolução Industrial e mudou tudo.

Ou seja, home office é mais um tema em que a nossa geração se considera pioneira, mas que já tem histórico. Então, ligue para seus avós para pedir algumas dicas e perguntar como eles estão nessa época de coronavírus, que é ainda mais assustadora para eles.

Estatísticas de home office no Brasil

Para entender melhor o contexto do trabalho em casa no Brasil, podemos olhar as estatísticas. Os números mais recentes do IBGE são de 2018, divulgados no fim de 2019. A série histórica de dados começou a ser levantada em 2012. Nesse período, o crescimento do home office foi de 44,4,%, chegando a um total de 3,8 milhões de pessoas.

Esse número correspondia a 5,2% do contingente de trabalhadores no país, excluindo servidores públicos e domésticos. Como dissemos no começo do texto, trata-se de uma minoria. Também na abertura do post, falamos no privilégio de poder optar pelo home office. De acordo com IBGE, a realidade brasileira se deve muito mais à informalidade.

Em 2018, 41,1% da força de trabalho desempenhava atividades informais. Muitas dessas pessoas acabavam realizando atividades diretamente de casa. Se você estiver em um momento desses, mesmo que por necessidade, dê uma olhada nas dicas que daremos a seguir. Quem sabe elas te ajudam a alcançar seus objetivos mais rapidamente!

Por fim, um dado relevante da pesquisa do IBGE: o maior salto do home office no Brasil foi entre 2017 e 2018, com um crescimento de 21,1%. De novo, isso não necessariamente reflete uma escolha dos trabalhadores, mas é um indicativo de uma tendência dos tempos modernos, da nossa geração.

Portanto, você também terá o que contar para seus avós na ligação telefônica! Aliás, dá uma ligadinha agora para eles, depois você volta aqui e continua lendo o texto.

Vantagens do home office

Sabemos que praticamente em todas as situações existem vantagens e desvantagens. Contudo, como estamos vivendo um momento único frente ao Covid-19 e as palavras de ordem incluem responsabilidade e capacidade de adequação, temos consciência de que o home office é uma das saídas mais eficientes e necessárias no cenário atual.

Logo, vamos falar das vantagens desse modelo de trabalho e focar, em outras palavras, no lado positivo da situação. Afinal, todos precisamos de um alento, vamos lá! 😉

Flexibilidade e comodidade

A flexibilidade de horários é uma das maiores vantagens do home office, afinal, você organizará seu próprio tempo e tarefas.

Se a sua empresa atua em horário comercial, claro, é importante estar online ao mesmo tempo em que os seus colegas estão. Porém, nada impede que, caso você se sinta mais produtivo à noite ou de madrugada, adiante o trabalho do próximo dia nestes períodos – só não vale deixar o trabalho da data atual para a madrugada do dia seguinte, hein?

Além disso, pense no tempo que você irá economizar. Afinal, não será necessário se deslocar até o local de trabalho, ou seja, nada de horas no trânsito ou imprevistos como acidentes e engarrafamentos – seja no ônibus, no Uber ou no seu próprio carro!

Qualidade de vida e economia

Por falar em tempo economizado, ele poderá servir tanto para melhorar sua produtividade como para investimentos em qualidade de vida. Aí vão algumas opções para as horas que vão sobrar:

  • Praticar atividades físicas (ainda que em casa, vários exercícios podem ser realizados);
  • Colocar aquele projeto especial – pessoal ou profissional – que ficou de lado em prática;
  • Passar mais tempo de qualidade com a família, participando mais ativamente da vida dos filhos, dando atenção para animais de estimação, fazendo refeições em conjunto, entre outras atividades que antes não seria possíveis;
  • Estudar outro idioma, realizar cursos online, ler livros, as possibilidades são muitas!

Em paralelo, a empresa também oferece, consequentemente, mais um benefício para os colaboradores, proporcionando esses momentos e cativando-os ainda mais!

Seja para os funcionários ou para o seu negócio, a economia também é significativa quando o home office é adotado. Vários gastos podem ser reduzidos, entre eles alimentação, transporte, redução do desperdício de recursos, etc.

Sustentabilidade

De quebra, a sua estadia em casa ainda estará ajudando o planeta. Com menos pessoas se deslocando até o trabalho, consequentemente temos menos carros na rua/uso do transporte público.

Logo, isso implica na diminuição do consumo e queima de combustíveis fósseis e em uma redução significativa também nos índices de poluição do ar e sonora. Será que você já tinha pensado por este lado? Além disso, as empresas também economizam água, energia elétrica e outros recursos.

Seja o seu home office permanente ou temporário, ele será sustentável!

sustentabilidade Home office: o que é, como fazer e boas práticas para render em casa

5 desafios do home office e como vencê-los

Ainda na pegada de seguir o bright side ou, em tradução livre, o lado “brilhante” das coisas, listamos 5 desafios do home office com dicas para tirá-los de letra!

1. Ter um local próprio para o trabalho

É de conhecimento geral que nem todos têm em casa um escritório ou local próprio para trabalhar, ainda mais quando o home office passa a ser adotado do dia para a noite – como é o caso de muitos profissionais hoje.

A cadeira reclinável e ergonômica do escritório, as tomadas embutidas e o silêncio do local de trabalho fazem falta, sabemos. Contudo, com algumas adaptações é possível contornar a situação até de forma bem divertida!

Primeiro, escolha o lugar de casa onde você se sente mais concentrado(a) e apto a realizar as atividades do dia a dia. Depois, com o que há em mãos, tente adaptar este local para atendê-lo da melhor maneira – nem que aqui sejam necessárias algumas gambiarras, como extensões, a luminária que estava no quarto ou aquele móvel com rodinhas que antes ficava no banheiro. A criatividade é quem manda, essa é a sua chance de criar o seu próprio workspace.

2. Distrações das mais diversas

É fato que em casa existem muitas distrações: família, roommates, a louça suja, possíveis barulhos, televisão e até nossas camas – diga-se de passagem e com honestidade! Logo, como se concentrar e focar no trabalho em meio ao “caos”?

Bom, seja para as interações sociais ou demais distrações, é preciso impor limites. Combine com você mesmo(a) de terminar de uma vez aquela tarefa mais entediante e, depois, tomar um banho relaxante – ou algum outro tipo de recompensa que não tome muito tempo.

Já se você está sendo constantemente interrompido por outras pessoas, converse com elas e peça sua compreensão; diga que reservou aquele horário para trabalhar e que, depois, terão todo o tempo para conversar e interagir.

Para quem tem crianças em casa, uma rede de apoio é tudo: divida as responsabilidades igualmente com seu parceiro(a) e demais responsáveis. Neste momento, estamos quase todos no mesmo barco e a ajuda mútua é simplesmente um pilar indispensável.

3. Alimentação

A falta de rotina pode causar uma quebra muito grande de hábitos saudáveis – ainda mais para quem acabou de aterrissar de paraquedas no home office. No início, é tentador usar aquele tempo extra que falamos anteriormente para dormir, ficar no sofá ou comer junk food.

Contudo, não caia em tentação: para continuar entregando resultados satisfatórios, é necessário estar bem descansado(a) e bem alimentado. É um pouco óbvio, mas vale relembrar: todos nós precisamos de combustível para viver e render, certo?

Mas e a solução? Procure ter em casa alimentos diversos, que se transformem em refeições e lanches diversos. Assim, o benefício (e prazer) das suas pausas será ainda maior, uma vez que você estará se alimentando corretamente e criando seu próprio cardápio.

(Mas tendo em mente que sair de casa só quando muito necessário, certo? 😬).

4. Comunicação vs. solidão e mal-entendidos

Para alguns de nós, trabalhar isoladamente, longe de outras pessoas e da comunicação cara a cara pode ser um desafio. Somos seres sociais, uns mais do que outros. E ficar longe fisicamente dos colegas e depender de emails para se comunicar pode ser, mesmo, uma grande furada!

Por isso, tenha a tecnologia como sua aliada. As ferramentas para videoconferências estão cada vez mais modernas (trataremos delas mais adiante). Nesta semana mesmo nós, da RD, fizemos uma reunião com todo o time de Marketing de maneira remota. Alguns trouxeram os filhos para perto da câmera, outros os pets, e conseguimos nos comunicar de forma satisfatória. Ainda que à distância, rimos uns com os outros e compartilhamos as mesmas vitórias e desafios do dia a dia, como sempre fizemos “ao vivo”.

Aproveite momentos como esses e, se for do seu desejo, no futuro com certeza poderá voltar a exercer o trabalho em equipe presencial novamente. Com um pouco de paciência e adaptação, acreditamos que é possível, sim, tirar este desafio do caminho.

5. Trabalhar em excesso não é a solução!

Por último e, talvez, mais importante, lembre-se: não é porque agora sua casa e seu escritório são o mesmo lugar que você deverá trabalhar horas a fio só porque pode. Assim como distrair-se demais pode ser ruim, distrair-se de menos pode ser também, e na mesma medida!

Não esqueça de dar e receber atenção, exercitar-se (nem que seja só um alongamento, vai?) e comer corretamente. Com o corpo e a mente sã, você continuará entregando resultados excelentes, no seu ritmo e tempo próprios: os mesmos que você já encontrou no escritório!

Se precisar de ajuda para se adaptar, peça, é algo super normal. Os seus colegas podem estar passando pelo mesmo e querendo conversar sobre, certo? 🙂

E para as empresas, continuem (na medida do possível) promovendo os encontros que normalmente fariam entre os funcionários de forma remota. Aqui na RD, como março é o Mês das Mulheres, preparamos uma programação de mentorias em todas as semanas para nossas RDoers. E agora com o modelo de home office adotado, não as cancelamos: nossas colaboradoras continuam se encontrando, conversando e trocando por meio de videoconferências.

Trabalhar-em-excesso Home office: o que é, como fazer e boas práticas para render em casa

5 dicas para o seu espaço de trabalho durante o home office

Para que a rotina durante o período de home office seja produtiva, é preciso manter alguns cuidados em relação ao ambiente de trabalho.

Afinal, a estrutura das nossas casas, em geral, não foi preparada para ter um espaço destinado ao trabalho. Por isso, organizar um ambiente propício para executar suas atividades é um dos fatores mais importantes para manter o nível de produtividade.

Para ajudar você a preparar o melhor espaço possível, listamos 5 dicas que vão auxiliá-lo a realizar o seu trabalho em casa de forma confortável!

1. Crie um espaço exclusivo para trabalhar

Como criar um espaço que garante uma atmosfera produtiva de trabalho onde você não será interrompido durante o home office? Essa é uma preocupação importante, que precisa ser o primeiro ponto de atenção na preparação do espaço de trabalho.

É comum que algumas pessoas pensem que fazer home office é o mesmo que ter a liberdade de trabalhar no sofá ou até mesmo na cama. Isso pode acontecer, sim, desde que você use esses espaços por períodos curtos e em momentos específicos. O ideal para manter sua concentração e foco nas atividades é definir um ambiente fixo de trabalho.

Comece pensando no propósito do seu escritório em casa. Se você vai trabalhar nele diariamente, crie uma sensação diferente do resto dos quartos para ajudá-lo a entender que aquele espaço é o lugar ideal para se concentrar. Por isso a dica é: escolha o espaço mais confortável possível, onde possa ficar o tempo de trabalho diário.

Nesse caso, a primeira coisa a se pensar ao projetar o seu trabalho home office é onde seu escritório deve estar localizado. Considere também o seu estilo de trabalho e tudo que precisa para executá-lo, assim como as necessidades das pessoas que convivem no ambiente.

Com um espaço de trabalho dedicado a isso, onde você pode se concentrar, fica mais fácil aproveitar os benefícios do trabalho remoto que listamos anteriormente. E uma dica adicional para que os membros da família respeitem seu espaço: use uma dica visual no ambiente, como um sinal de “não perturbe” – principalmente quando participar de chamadas de áudio e vídeo!

2. Não esqueça da iluminação do ambiente

Nossos espaços de trabalho nas empresas são sempre pensados para entregar o melhor ambiente possível, seja falando de ergonomia, equipamentos ou iluminação. E durante o home office, pode ser difícil se concentrar se você não tiver a iluminação correta.

Mas se a sua casa é pequena ou as suas janelas não permitem a entrada de tanta luz, como configurar seu espaço para obter uma iluminação ideal? Na prática, buscar uma solução que conte com entrada de luz natural é a principal forma de iluminar o ambiente para melhorar a produtividade e a concentração. Se você tende a trabalhar muito tempo em frente a uma tela de computador, ficar próximo de uma janela é uma boa escolha.

Para quem conta com um ambiente mais escuro, considere utilizar uma luminária durante o dia. Mas é melhor evitar a iluminação com lâmpadas fluorescentes, principalmente em ambientes pequenos. Em vez disso, escolha lâmpadas com uma aparência natural, com tons mais quentes.

O que acontece se eu errar na iluminação?

A iluminação inadequada pode causar fadiga ocular e sonolência, o que dificulta a produtividade. Por isso, o tom da luz também é um fator a ser levado em consideração. As temperaturas de cores quentes estimulam a produtividade, enquanto as temperaturas de cores frias, desde que sejam mais fracas, são calmantes.

Em resumo, garanta que fará o ajuste na sua iluminação para que não fique em um ambiente tão escuro, que o(a) deixe sonolento e cause tensão nos olhos, mas também não exagere na luz, porque provavelmente você terá dor de cabeça no fim do dia.

3. Escolha bem a sua mesa e cadeira de trabalho

No ambiente da sua empresa, provavelmente as mesas já possuem a estrutura adequada para o trabalho. Mas para o home office, este precisa ser um ponto de atenção.

A escolha da melhor mesa para o seu ambiente envolve a quantidade de espaço disponível na área. Ela precisa ser grande o suficiente para acomodar seu notebook ou desktop, enquanto ainda consegue ter um espaço para fazer anotações ou acomodar outros objetos.

Falando da sua cadeira, mesmo que não consiga usar um modelo mais típico de escritório, tenha certeza de que ela estará confortável para você ficar sentado por horas. Escolha sempre um modelo que fique na altura certa em relação a sua posição na mesa.

Não é fácil encontrar um conjunto ergonomicamente adequado para o seu espaço. Mas sempre coloque o conforto do seu espaço como um item fundamental para executar bem o seu trabalho durante o período de tempo necessário.

4. Decore o ambiente com coisas que deixam você feliz

Um dos benefícios de trabalhar com home office é que você pode criar um espaço do jeito que preferir. Afinal, a produtividade cresce em ambientes onde os pensamentos criativos surgem com mais facilidade.

Se para você conseguir isso significa encher o local com plantas, pendurar quadros ao seu redor, encher as estantes de livros e o que mais imaginar – como manter o seu pet do lado para fazer um carinho sempre que quiser – não perca a oportunidade de cercar esse ambiente com coisas que fazem bem!

Quanto mais ficar feliz no ambiente em que está, melhor você poderá trabalhar e produzir ao longo do dia. Lembre-se apenas de manter tudo isso de forma que não atrapalhe seu foco na atividade que está desempenhando no momento.

Nesse caso, não precisa correr para a internet e pesquisar por exemplos de ambientes home office para tentar replicar. Só você sabe como criar uma configuração que funcione bem para a sua rotina.

5. Sempre mantenha a organização

A desordem pode fazer com que um espaço home office, que geralmente é pequeno, pareça ainda menor e até um pouco caótico para desempenhar qualquer tipo de trabalho. Por isso, manter a organização é uma dica que você não pode deixar de seguir.

Quando seu espaço de trabalho está livre de confusão, sua mente pode pensar com mais clareza. E para conseguir agir nesse sentido, não tem erro: o primeiro passo para limpar a bagunça é simplesmente se livrar dos itens que você não precisa. Antes de começar sua rotina diária, certifique-se de que tudo está no local certo e retire qualquer objeto que não usa.

Quanto aos itens que não são utilizados todos os dias, utilize caixas ou gavetas para organizá-los. Agrupar seus itens em grupos também ajuda a encontrar cada um quando precisar deles, porque é mais fácil lembrar onde eles estão agrupados.

5 tipos de ferramentas para o trabalho home office

Agora que você já sabe como funciona, quais são as vantagens, os desafios e as dicas para preparar o seu espaço, não podemos esquecer de trazer as ferramentas indispensáveis para o seu trabalho home office.

Afinal, é nesse período que precisamos contar com soluções que conectam várias pessoas diferentes, para trabalhar em conjunto em projetos e atividades. Durante a pandemia do Coronavírus, o próprio Google disponibilizou gratuitamente uma série de ferramentas para ajudar todos que estão trabalhando em casa.

Mas na prática, existem soluções para várias finalidades diferentes. Listamos opções para 5 tipos diferentes de situações que você certamente passará, confira!

1. Reuniões online

Durante o período de home office, as reuniões planejadas não podem parar de acontecer. Até mesmo os alinhamentos mais rápidos, que acontecem no ambiente de trabalho entre as pessoas que trabalham lado a lado na mesma mesa, precisam continuar no ambiente online.

Portanto, é importante que as equipes se comuniquem com frequência utilizando ferramentas para realizar reuniões online. Com as soluções de videoconferência, fica muito mais simples fazer isso na prática.

As principais ferramentas do mercado permitem criar uma sala gratuitamente e, através de um link de acesso, todos os participantes podem entrar para participar das reuniões com áudio, vídeo e compartilhamento de tela. As principais que você pode utilizar são:

Zoom

O Zoom é uma ferramenta que permite criar um ambiente de videoconferência para compartilhar vários desktops simultaneamente na sala. Na versão gratuita, ele permite uma duração máxima de 40 minutos.

Zoom Home office: o que é, como fazer e boas práticas para render em casa

O Zoom permite a participação por qualquer dispositivo conectado à internet

Hangouts Meet

O Hangouts Meet – antigo Google Hangouts – é a ferramenta da Google para fazer reuniões online. Como ela é totalmente integrada ao G Suite, o pacote de ferramentas da Google, você pode participar de reuniões a partir de um evento criado no Google Agenda ou de um convite enviado por email.

Hangouts-Meet Home office: o que é, como fazer e boas práticas para render em casa

O Hangouts Meet é uma das ferramentas mais utilizadas para reuniões online

2. Comunicação em tempo real

Mantendo o foco no compartilhamento e na colaboração entre equipes, uma das formas de trabalhar bem em home office é manter uma comunicação clara com sua equipe e líder usando ferramentas que permitem essa troca em tempo real.

A maioria das pessoas costuma passar os dias sempre próximas dos colegas de trabalho no ambiente compartilhado da empresa, o que significa que a comunicação é muito mais fácil e sem esforço. Já com o home office, é importante definir bem como vai funcionar a estrutura.

Logo, as ferramentas de comunicação são indispensáveis neste momento. E as principais que você pode utilizar são:

Slack

O Slack é um espaço de colaboração por meio da troca de mensagens. É a ferramenta preferida das empresas para manter a comunicação de todas as equipes em um só lugar. Os participantes podem criar canais, que funcionam como grupos de troca de mensagem, ideais para concentrar a comunicação entre as equipes.

Um grande diferencial é a sua integração com o Zoom, Google Drive e vários outros aplicativos.

Slack Home office: o que é, como fazer e boas práticas para render em casa

O Slack permite a comunicação individual ou por grupos

Rocket.Chat

O Rocket.Chat é um servidor de bate-papo com funções semelhantes ao Slack. É uma ótima solução para comunidades e empresas que desejam criar seu ambiente de comunicações individuais ou em grupo. O detalhe é que essa ferramenta possui código aberto.

Rocket.Chat_ Home office: o que é, como fazer e boas práticas para render em casa

O Rocket.Chat é uma alternativa para manter a comunicação

3. Gestão de atividades

Além de resolver os pontos de comunicação – seja através das conversas por videoconferência, chat ou grupos – é preciso fazer o gerenciamento de atividades durante o período de home office.

É importante contar com soluções que deixem claro qual atividade cada membro do time está executando no momento e quais as próximas ações prioritárias que precisam ser realizadas ao longo do dia ou da semana. Para essa finalidade, você pode utilizar:

#matrix

Para contar com uma experiência que se aproxima daquela que encontramos no escritório físico, a equipe de Engenharia e Produto da Resultados Digitais desenvolveu uma ferramenta open source chamada #matrix.

Ela funciona como um escritório online que permite que as pessoas visualizem os seus colegas de trabalho e interajam por meio de salas virtuais.

A a ferramenta está disponível em plataforma Open Source para empresas que optarem pelo home office. A implementação possui configurações simples e em apenas dois minutos é possível criar o escritório virtual. Todo o projeto está publicado no GitHub da RD e pode ser executado seguindo os passos no arquivo README.md.

matrix Home office: o que é, como fazer e boas práticas para render em casa

Visual do #matrix faz a divisão de salas virtuais

Trello

O Trello é a ferramenta mais simples possível quando se trata de gerenciamento de projetos, mas essa simplicidade esconde um incrível poder organizacional e de gerenciamento de tarefas. Ele utiliza o conceito de quadros, onde cada um pode representar um projeto ou a distribuição da rotina de uma equipe.

Dentro de cada quadro, as equipes criam listas, que são preenchidas com cartões. Os cartões podem ser atribuídos a membros específicos da equipe, rotulados e com um prazo final de entrega.

Trello Home office: o que é, como fazer e boas práticas para render em casa

O Trello utiliza a metodologia Kanban para fazer a gestão das atividades

4. Gerenciamento das ações de Marketing

Durante o trabalho home office, uma das áreas de qualquer empresa que precisa continuar funcionando muito bem é o Marketing. E com todas as possibilidades que a internet e as formas de comunicação online oferecem, todos os negócios já estão colocando o foco no seu trabalho de Marketing Digital.

Assim, é importante contar com uma ferramenta que funcione muito bem para o gerenciamento de todas as atividades de Marketing Digital, mesmo trabalhando de casa. Para aproveitar o ambiente digital e conseguir ampliar o seu volume de vendas, veja uma ferramenta para utilizar, como o:

RD Station Marketing

O RD Station Marketing é uma ferramenta de Automação de Marketing que reúne todas as funcionalidades que sua empresa precisa para atrair, converter e se relacionar com um contato, além de analisar os resultados das suas ações em um só lugar.

Ela foi a ferramenta vencedora do B2B Awards 2019, premiação da B2B Stack que aponta os softwares para empresas mais bem avaliados do Brasil.

Com ela você consegue realizar as ações que precisa para ampliar seus resultados, como por exemplo:

  • Agendar publicações nas redes sociais;
  • Criar e enviar campanhas de Email Marketing;
  • Criar Landing Pages para geração de Leads;
  • Gerar fluxos de nutrição automáticos para sua base de contatos;
  • Analisar os resultados, de visitantes até vendas, e muito mais!

RD-Station Home office: o que é, como fazer e boas práticas para render em casa

Visão do dashboard do RD Station Marketing

5. Execução e gerenciamento das tarefas de Vendas

Durante o home office, o processo de vendas também precisa continuar a todo vapor – na medida do possível, claro. E com a evolução do trabalho de Inside Sales, onde os vendedores fecham uma nova venda de forma remota, a gestão das atividades também precisam de um controle contínuo para não deixar nenhuma oportunidade passar.

Sendo assim, você precisa contar com uma solução para a execução e gerenciamento das tarefas de vendas. E nada melhor para isso do que contar com um CRM!

RD Station CRM

O RD Station CRM é uma ferramenta que possibilita fazer o controle de todo o processo comercial da sua empresa, centralizando todas as informações consideradas mais importantes para a gestão do funil e fluxo de vendas. Ela ainda permite fazer toda a comunicação por email e telefone com cada contato, registrando tudo em seguida.

Além disso, quando integrado ao RD Station Marketing, as informações de Marketing e Vendas ficam alinhadas desde o início da jornada do Lead, evitando falhas na comunicação e melhorando o relacionamento com o cliente.

RD-Station-CRM Home office: o que é, como fazer e boas práticas para render em casa

Visão do pipeline de vendas no RD Station CRM

Qual é a sua dica de home office?

Esperamos que todas essas dicas ajudem você durante seu período de trabalho em home office. Quem sabe, quando a crise do coronavírus tiver passado, você perceba que gostou de trabalhar assim e continue. O importante agora é seguirmos as orientações dos órgãos competentes e superarmos esse momento juntos, mesmo que à distância.

Fonte:https://bit.ly/33MkHpL

Pessoas com deficiência em home office: Como a empresa pode ajudar

postado em: Marketing Digital | 4

Deficiente Pessoas com deficiência em home office: Como a empresa pode ajudar

Pessoas com deficiência (PCDs) podem precisar de adaptações extras para trabalhar em casa. Veja dicas de como ajudar seus colaboradores!

Muitas empresas adotaram políticas de home office devido à pandemia do coronavírus. Isso exige de equipes adaptabilidade e de pessoas um grande poder de autogestão para se manter produtivo no isolamento de casa.

Nesse boom de novas ferramentas e plataformas, rotinas e escritórios caseiros, é importante trazer algumas dicas de acessibilidade para empresas que possuem colaboradores com deficiência. Continue lendo para saber como ajudá-los!

→ Para informações de prevenção e saúde, acesse o site do Ministério da Saúde do Brasil e o da Organização Mundial da Saúde (em inglês).

Mobilidade Pessoas com deficiência em home office: Como a empresa pode ajudar

Confira a acessibilidade das suas ferramentas

Nem toda plataforma de videoconferência tem boa usabilidade com leitores de tela. Além disso, nem todo software para acompanhamento de métricas é acessível ou compreensível para surdos.

Tenha mapeadas as deficiências que as pessoas da sua empresa possuem e verifique com elas se tudo está “ok”. Literalmente pergunte para as pessoas: “você está conseguindo trabalhar em home office?”

Caso não, busque alternativas para este período de Covid-19. Na RD, utilizamos o Zoom para calls online, uma plataforma acessível e de bom uso por leitores de tela.

Verifique a acessibilidade dos home offices

A casa das pessoas normalmente não é um escritório – e não faz sentido nenhum exigirmos que seja. Assim, uma pessoa com deficiência física pode não ter móveis adaptados para seu trabalho na sua própria residência – afinal, ela faz outras coisas em casa.

A sua empresa pode deslocar esses móveis adaptados para a casa do colaborador neste período ou mesmo ajudá-lo a adaptar seu próprio ambiente caseiro da melhor forma.

Pessoas com autismo, por exemplo, podem fazer bom uso do trabalho home office sem ter que lidar com as conturbações do deslocamento até o trabalho. No entanto, barulhos e distrações desse ambiente (obras, movimentação de vizinhos e na rua, etc) podem desconcentrá-las constantemente quando precisam trabalhar de forma constante. Então, é importante levar isso em conta quando pensarmos a sua produtividade.

Avalie flexibilizar as metas

Por todas essas questões (e muitas outras, como saúde mental) é fundamental entender que o principal neste momento é conter a epidemia e manter as pessoas saudáveis. Por isso, se as questões de acessibilidade para as pessoas com deficiência da sua empresa não estiverem na sua melhor forma, flexibilize.

Pessoas surdas podem precisar de ajustes nos seus trabalhos, por exemplo, devido à presença de barreiras para se comunicar de forma remota ou por ligações, tendo apenas o recurso de texto como meio de conversa.

Seja em relação a horários, metas, entregas ou o que for, negociar e ser coerente com a realidade do momento é o ponto mais importante para manter um bom ambiente e uma conduta inclusiva.

Posso ajudar?

Para além dessas dicas, vale a pena cuidar com o risco que as pessoas com deficiência correm. Muitos de nós necessitam de auxílio com ações do dia a dia – eu incluso. Ou seja, sempre temos alguém por perto.

Isso nos coloca sempre em risco de contaminação e, caso isso ocorra, colocamos também essas pessoas ao nosso redor em risco. Então, incentive as pessoas com deficiência a ficarem em home office, adapte ferramentas e ambientes e cumpra com seu dever e responsabilidade como empresa.

Se você tiver mais dúvidas de como auxiliar os colaboradores da sua empresa nesse período que estamos enfrentando, eu posso ajudar. Entre em contato comigo pelo LinkedIn ou deixe sua pergunta aqui nos comentários. Se você tem uma prática legal ou alguma experiência para compartilhar, conta para a gente também!

Fonte: https://bit.ly/2wEclEu

Precisando vender à distância? Veja 3 dicas para adaptar seu time Comercial

postado em: Marketing Digital | 0

Equipe-de-Vendas Precisando vender à distância? Veja 3 dicas para adaptar seu time Comercial

O momento é de muitas mudanças na realidade dos times comerciais, então confira as dicas e um presente para quem vai começar a vender à distância

O seu planejamento comercial também foi afetado pelos últimos acontecimentos? Com a definição de quarentena no País, muitas empresas foram surpreendidas e precisaram aderir ao modelo de trabalho home office.

Para nós, aqui na RD, o trabalho em casa já faz parte da rotina de boa parte dos funcionários. Compartilhamos até um pouco da nossa experiência com a ferramenta #matrix para trabalho remoto e alguns conteúdos para ajudar neste momento de transição:

Quando o assunto é vendas, a situação é de incerteza e insegurança. Se o seu negócio depende de vendas presenciais, então, mais ainda. A migração para o modelo de vender por telefone pode ser um desafio a mais para vencer neste momento, mas nós podemos te ajudar!

Preparamos este post com algumas dicas para:

  • Guiá-lo na adaptação com as vendas à distância;
  • Garantir que o seu time Comercial consiga finalizar as negociações que já estão em curso;
  • E, quem sabe, conquistar novos clientes.

Confira!

vender-a-distância-720x4801-1 Precisando vender à distância? Veja 3 dicas para adaptar seu time Comercial

 

3 dicas para vender à distância

1. Redesenhe seu processo comercial

Se o seu time trabalha com field sales, ou seja, vendas com visitas presenciais, é muito importante adaptar o processo comercial à nova realidade. Isso inclui rever todas as etapas, desde o primeiro contato.

Determine como cada etapa do processo deve funcionar por telefone:

  • Quantas tentativas de contato serão feitas na prospecção?
  • Quanto tempo, em média, devem durar as etapas de avaliação da solução?
  • Qual o prazo de follow up entre ligações?
  • Quais métricas serão utilizadas para mensurar a performance (duração das ligações, quantidade de contatos por dia, etc.);
  • Quais ferramentas farão parte do processo e como utilizá-las.

2. Adapte o seu discurso de vendas

O pitch de vendas precisa ser adaptado para vender à distância. Quando estamos frente a frente com um potencial cliente, é muito mais fácil envolvê-lo na conversa, captar sua atenção e dar ênfase nos pontos importantes do nosso discurso.

Retirando a proximidade física, o desafio maior é não deixar que o ouvinte se distraia ou sinta que está perdendo tempo com a ligação. É necessário gerar valor e encantamento para que a negociação prossiga, mas sem se perder no pitch.

Treine seus vendedores para desenvolverem a escuta ativa: usem o pitch padrão, façam suas considerações, mas saibam extrair as informações necessárias – e, acima de tudo, ouçam as observações e queixas de quem está do outro lado da linha!

Tudo isso é essencial para formular os próximos passos do processo comercial, estruturar um escopo de atendimento e até para definir a proposta que será enviada. Preste atenção a tudo o que for dito pelo cliente, tome nota e faça registros no CRM.

3. Use a tecnologia a seu favor

Cada vez mais falamos sobre a proximidade virtual e maneiras de criar conexões com pessoas através das plataformas online, e para o contexto de vendas não é diferente. Ao vender à distância, é ainda mais importante gerar relacionamento e proximidade, ainda que via telefone.

O uso da tecnologia possibilita uma série de ações para facilitar sua vida neste quesito:

  • Fazer ligações de voz e videoconferências;
  • Enviar emails automatizados com alto nível de personalização;
  • Fazer anotações no CRM durante todos os contatos;
  • Acessar o histórico completo das oportunidades, com todas as interações registradas desde as etapas de Marketing e prospecção.

Com isso, as tarefas ganham tempo e agilidade, características essenciais em uma operação comercial com vendas à distância. Por isso, abandone planilhas, registros em papel e outros sistemas que não entreguem unidade e padronização ao seu processo!

A migração para um novo modelo de vendas é menos burocrática quando os vendedores têm as ferramentas certas para trabalhar. Isso evita o sentimento de perda de tempo, além da percepção negativa sobre os novos processos.

Todas as tecnologias escolhidas devem trabalhar bem em conjunto e servir para agilizar a vida do vendedor. Qualquer coisa diferente disso precisa ser eliminada

RD Station CRM libera minutos gratuitos do telefone virtual

Sabemos que este momento tem sido de muita mudança para as empresas brasileiras, mas entendemos que, mais do nunca, é preciso fortalecer os processos e aprender a lidar com as novas realidades.

Se você está começando a vender à distância, fique atento às próximas informações!

No ano passado, o RD Station CRM lançou uma funcionalidade de telefone virtual. Com ela, os usuários conseguem fazer ligações pelo CRM, dispensando a contratação de telefones corporativos e planos em operadoras de telefonia. Você adquire os créditos diretamente no CRM e a cobrança é feita por minuto de chamada.

18_-_telefone Precisando vender à distância? Veja 3 dicas para adaptar seu time Comercial

 

As ligações ficam gravadas na ferramenta, e podem ser acessadas por vendedores e gestores a qualquer momento – uma vantagem enorme para garantir um processo comercial bem afiado.

O telefone virtual do nosso CRM está disponível no plano Free e no plano Basic. Se você já tem uma conta no RD Station CRM em um desses planos e ainda não utiliza o telefone virtual para contatar suas oportunidades, aqui está um presente: minutos gratuitos para te ajudar a manter o relacionamento com seus clientes e concluir negociações!

A ideia de disponibilizar esse benefício é ajudá-lo a se adaptar melhor a este período de vendas à distância, especialmente se o seu time ainda não praticava esse modelo comercial antes.

São 150 minutos liberados para o plano gratuito do CRM e 300 minutos para os clientes pagantes do plano Basic. E não tem prazo de validade, ou seja: você pode utilizá-los até zerar o saldo sem preocupação!

Conte conosco para auxiliá-lo neste período de transição. Se você ainda não tem uma conta no RD Station CRM.

Aproveite esses minutos para estreitar laços com quem está no seu pipeline, ainda que o fechamento do contrato não aconteça por agora. Isso será fundamental para recuperar o ritmo quando a situação começar a se normalizar.

Fonte: https://bit.ly/2UFtlCa

9 dicas para gestão à distância da sua operação de Marketing e Vendas

postado em: Marketing Digital | 0

9-dicas-de-como-vender-mais-e-melhor-na-internet1 9 dicas para gestão à distância da sua operação de Marketing e Vendas

Precisa fazer a gestão à distância dos seus times de Marketing e Vendas? Confira 9 dicas práticas com o time de líderes e especialistas da RD!

Como você faz a gestão do seu time durante o trabalho à distância? Ter uma cultura clara por parte da empresa certamente ajuda a manter o foco e o comprometimento. Existem várias dicas que você pode aplicar junto do seu time que permitem fazer a gestão à distância de equipes remotas de uma forma mais produtiva.

É verdade que as equipes de Marketing e Vendas têm seus próprios desafios quando trabalham de forma remota, além dos problemas que qualquer equipe enfrenta e que o líder precisa gerenciar. Só que implementando algumas estratégias – tanto por parte da gestão como dos liderados – essa rotina pode ficar muito mais clara e simples!

É por isso que listamos uma série de 9 dicas para realizar a gestão à distância da sua operação, tanto de Marketing como de Vendas.

9 dicas para realizar a gestão dos times à distância

Além de dicas para facilitar o seu trabalho de gestão da equipe, que é fundamental durante o trabalho home office, você vai conferir algumas sugestões para compartilhar com o seu time sobre produtividade, saúde e bem-estar.

Afinal, para manter uma boa performance mesmo trabalhando à distância, é importante não esquecer de apoiar o lado profissional, pessoal e emocional de cada um.

1. Implemente boas práticas de comunicação e gestão de conflitos

Diferentemente do trabalho no escritório – onde todos sentam próximos um do outro e fica muito mais fácil de conversar sobre qualquer assunto – é preciso ter uma comunicação muito mais próxima com o time para que os conflitos e problemas que apareçam no dia a dia possam ser resolvidos rapidamente durante a gestão à distância.

Para isso, é essencial cumprir com dois passos:

  • Alinhamento de expectativa com o time sobre as formas de comunicação: defina qual o melhor momento e ocasião para usar cada um dos canais diferentes, dependendo do nível de importância e urgência da mensagem.
  • Stand-up matinal: faz toda a diferença contar com um momento de compartilhamento entre o time para falar como cada um se sente no dia, o que fez no dia anterior, o que vai fazer hoje e se precisa de ajuda para algum ponto.

“Com isso a gente consegue ter uma comunicação próxima mesmo que não esteja todo mundo na mesma mesa”

2. Incentive a troca de informação entre todo o time

Para gerir a troca de informações, é importante dar preferência para as conversas através de canais e grupos ao invés das mensagens individuais. É fundamental que todos saibam das atualizações e novidades.

Logo, mantenha todas as próximas ações e sprints abertas em documentos compartilhados ou por meio de alguma ferramenta. No Trello, por exemplo, você pode listar todas as principais atividades do dia a dia para que fique mais fácil entender o que cada um está priorizando no momento.

“Se for pecar, peque pelo excesso. Não deixe o seu time sem informação sobre os próximos passos e sobre o seu planejamento”

3. Aproveite os recursos digitais para fazer a comunicação

Para conseguir manter todo o time alinhado e com a comunicação aberta para todos, é possível utilizar várias outras soluções digitais, como o Hangouts ou o Zoom para videoconferências. Essa é uma forma de manter a integração entre os times, tanto de Marketing como de Vendas.

Pensando no contato com os clientes, o uso desses recursos também auxilia no compartilhamento de estratégias para manter todos alinhados e na mesma página sobre as próximas ações.

Essa iniciativa vem contribuindo para o time, que consegue demonstrar para os clientes como continuar utilizando o RD Station Marketing ou o RD Station CRM.

“Também é importante usar os recursos digitais para deixar registradas as ações que cada pessoa do time vai fazer”

gestão-à-distância-720x4801-1 9 dicas para gestão à distância da sua operação de Marketing e Vendas

4. Mantenha um clima positivo entre a equipe

Muitas vezes achamos que o clima só é importante durante o trabalho presencial. Mas este é um elemento muito importante também durante o trabalho home office.

Para melhorar, é possível seguir duas práticas:

  • Compartilhar algo do seu dia: pode ser feito pouco antes do fim do expediente – usando as ferramentas de comunicação do time – para compartilhar algo que normalmente seria dito se todos estivessem no mesmo ambiente de trabalho.
  • Criar momentos de descontração: assim como acontece no escritório, você pode usar de momentos de interação e descontração, que podem ser vividos usando um jogo online, por exemplo.

“As dicas ajudam a sair um pouco do tradicional, pensando realmente no bom clima que você quer para o seu time”

5. Indique a divisão do espaço de trabalho e o respeito aos horários

Pensando na produtividade do seu time, tendo em vista que nem todos podem ter uma adaptação fácil à rotina feita com base no home office, é importante passar a dica sobre o espaço de trabalho e do horário.

Para conseguir manter a concentração, definir uma divisão física do local para o trabalho, mesmo que seja só o local de colocar uma mesa e cadeira, pode ajudar a manter o foco nas atividades.

Mas como o trabalho é realizado da própria casa e a percepção do tempo fica diferente de quando estamos trabalhando no escritório da empresa, é comum que o seu time fique almoçando enquanto trabalha ou passe aqueles minutinhos no final do dia, o que vai contra as boas práticas de produtividade.

Por isso é importante seguir uma rotina que já indique o horário de início do trabalho, o horário de almoço, os intervalos e a saída.

“Com essa divisão bem distribuída, me sinto mais organizada e consigo seguir mais a minha agenda, o que acaba ajudando na minha rotina”

6. Utilize uma ferramenta de organização do time

A estrutura e organização do time feita no ambiente do escritório também pode ser implementada no gerenciamento da sua operação à distância através de uma ferramenta digital.

Nós utilizamos a #matrix, uma ferramenta open source desenvolvida pelo time de Engenharia e Produto que simula uma experiência semelhante daquela que encontramos no escritório físico para o ambiente virtual. Todo o projeto está publicado no GitHub da RD.

Com ela, fica mais fácil ver quem está na sala da equipe – indicando que está realizando as atividades do dia – ou quem está participando de uma reunião, por exemplo. Ainda dá para criar salas de descanso e fazer calls diretamente pela ferramenta, tornando a comunicação ainda mais ágil dentro dessa organização.

“A gente tenta trazer essa vivência do dia a dia do escritório usando as salas da #matrix” 

7. Defina metas objetivas e claras para o time

O time de Vendas trabalha com base nas metas que precisam alcançar. E é por isso que na gestão à distância essa definição precisa ser clara e bem objetiva, para que todos tenham confiança no trabalho que estão realizando.

A transparência dos números e entregas também deve fazer parte dessa definição. Esse passo pode ser colocado em prática por meio das ferramentas utilizadas no dia a dia.

“Amarrar as metas em processos e procedimentos é fundamental para ter algo bem detalhado e organizado para que o time possa ser gerenciado e se gerenciar”

8. Práticas que proporcionam bem-estar no home office

Muitas pessoas criam hábitos dentro do escritório que acabam sendo deixados de lado quando estão trabalhando de casa. Então, faz parte do processo de gerenciamento à distância levar para o seu time as melhores práticas de bem-estar.

  • Fazer pausas: trabalhar de casa pode dar a falsa sensação de que as pessoas já estão confortáveis, e isso pode fazer com que o seu time trabalhe várias horas seguidas sem perceber. Logo, é importante aderir às pausas, assim como é feito no escritório.
  • Reservar um tempo para tomar sol: esta é uma dica fundamental, já que o sol é o fator que nos auxilia na absorção de vitamina D. E durante o trabalho home office é raro lembrar do quanto essa prática é importante.
  • Ginástica laboral: os exercícios podem ser adaptados para o trabalho remoto, e além de proporcionar um momento de bem-estar também garantem um momento de descontração com o time quando é feito em conjunto – combinando um horário e compartilhando tudo durante uma videoconferência.

“Lembre-se sempre de se preocupar com sua saúde. Seguir esses pontos vai proporcionar muito mais bem-estar na rotina”

9. Mantenha sua estratégia de Marketing e Vendas integrada em um único lugar

No trabalho à distância, já vimos que é importante manter todos os integrantes do time na mesma página. Mas além de usar uma ferramenta de comunicação para isso, é essencial contar com um sistema que mantenha sua estratégia tanto de Marketing como de Vendas integrada.

Utilizar um software onde você possui a sua estratégia integrada em um único dashboard ajuda a manter todo o time alinhado e a continuar com uma boa performance. Afinal, assim todos conseguem ter visibilidade das suas metas e do que precisa ser feito para alcançar os objetivos de cada área.

Você pode contar com uma ferramenta tudo em um para o Marketing – que permita a execução das demandas por todos os integrantes do time – aliada a uma que organize o seu processo comercial e a cadência de contatos.

Se está você está pronto(a) para colocar em prática essa última dica, que tal fazer um trial gratuito e sem compromisso das nossas ferramentas? Assim, você aproveita as horas extras que o trabalho remoto proporciona e já confere algo novo! 🙂

Fonte: https://bit.ly/39kPbjN

Nova Automação do RD Station Marketing vai multiplicar seus resultados

postado em: Marketing Digital | 1

automação-de-processos-industriais-840x4201 Nova Automação do RD Station Marketing vai multiplicar seus resultados

Automatize seu funil de vendas, guie seus Leads até a compra em menos tempo e analise os resultados

Personalização e automação são palavras que profissionais de Marketing e Vendas entendem bem. Além disso, sabem a diferença que significam em uma estratégia. Nós, da Resultados Digitais, também! E é por isso que estamos constantemente mudando e evoluindo os recursos da Automação, para que nossos clientes do RD Station Marketing possam extrair o máximo de resultados do Marketing Digital.

Se você já é nosso cliente ou trabalha com Marketing, provavelmente sabe que com dados específicos dos seus Leads é possível construir experiências personalizadas que ajudam a acelerar o tempo até a compra. Mas fazer isso manualmente não é viável quando uma empresa gera muitos Leads — e é isso que todos querem, né?!

Gerenciar sua base de Leads manualmente também não é uma tarefa fácil. Principalmente, quando se está gerando um grande volume de contatos de forma recorrente. Por isso, há algum tempo, estamos ouvindo nossos clientes para entender quais funcionalidades são fundamentais para criação e gestão de Fluxos de Automação com mais inteligência, menos esforço e em menos tempo.

Neste post, você confere as últimas novidades. E vem muito mais por aí!

O que há na nova Automação de Marketing?

Neste ano, transformamos dois tipos de fluxo em um só para simplificar a construção de jornadas e, além disso, lançamos uma série de novos recursos que facilitam a criação, edição e análise.

Vá além do Olá, *|PRIMEIRO-NOME|*

Não adianta mais só chamar o Lead pelo nome: é preciso criar experiências únicas. Para que você possa montar Fluxos de Nutrição simples ou robustos, transformamos os dois tipos de Fluxo em um só. E, agora, com muito mais possibilidades.

Você pode personalizar facilmente a jornada de compras ao adicionar ou remover automaticamente os Leads entre todos os Fluxos de Nutrição. E ainda escolhe quando isso deve acontecer!  Por exemplo, se o Lead realizar alguma conversão, mudar o estágio para Oportunidade, clicar em um email do fluxo e por aí vai.

E para criar uma Automação você não precisa definir uma condição de entrada, o que dá muito mais liberdade para conectar todas as etapas dos seus fluxos.

automa__o Nova Automação do RD Station Marketing vai multiplicar seus resultados

Arraste e solte condições de adição ou remoção de Leads para criar jornadas de compras

Com mais possibilidades de montar os caminhos dos Leads, sua automação de emails gera maior engajamento, o que significa mais conversões para a sua empresa. E, claro, menos tempo perdido com tarefas repetitivas.

Analise para entender e otimizar seus resultados

Saber somente a performance dos emails dos seus fluxos não basta para entender se os seus fluxos são eficazes. Por isso, agora, além de poder comparar as interações dos Leads com seus emails, você sabe a performance dos fluxos ao longo do tempo.

Com as novas funcionalidades, você pode:

1) Provar ROI de acordo com o objetivo de cada fluxo

Você acompanha em gráficos quantos Leads Qualificados, Oportunidades e Vendas foram geradas em Fluxos de Automação ao longo do tempo para otimizar resultados e provar ROI.

Exemplo: número de Oportunidades geradas ou Trials realizados no Fluxo de Decisão de Compra no mês.

2) Analisar a performance por período

Sabendo com quais emails seus Leads mais interagem, você pode melhorar a comunicação continuamente. E, como sabe em qual etapa do Fluxo a maioria dos Leads se qualifica, pode otimizar seus Fluxos de Nutrição. Ou seja, diminuindo ou aumentando o número de emails, testando caminhos novos, mudando os materiais ricos, etc.

Exemplo: número de Leads que clicaram no email de Case de Sucesso do Fluxo de Consideração da Solução do mês passado.

automa__o-2 Nova Automação do RD Station Marketing vai multiplicar seus resultados
Fonte: https://bit.ly/2kUht1e

10 exemplos de Landing Pages com taxa de conversão acima de 31%

postado em: Marketing Digital | 1

o-que-e-landing-page-para-que-serve-porque-voce-precisa-de-uma-o-que-e1 10 exemplos de Landing Pages com taxa de conversão acima de 31%

Saiba como empresas alcançaram taxas de conversão acima da média com páginas criativas e interessantes para clientes em potencial

Falamos muito aqui no blog sobre a importância de seguir boas práticas para criar Landing Pages que convertem.

Nesta equação, entram características como bons títulos e descrições, imagens que chamem a atenção, um formulário com o número de campos adequado, entre outras.

São muitos elementos e é possível que você já tenha se sentido perdido no meio de tanta teoria!

Pensando nisso, selecionamos 10 exemplos práticos de empresas que alcançaram taxas de conversão acima de 31% (um índice considerado excelente) com suas páginas.

Todos os exemplos são de clientes da Resultados Digitais que criaram páginas utilizando o RD Station Marketing e tiveram mais de 300 visitas únicas. Elas estão organizadas em ordem crescente de conversão. Basta clicar em no links para acessar a Landing Pages e vê-las com mais detalhes.

Combinado? Então, vamos lá, veja os exemplos de Landing Pages que separamos!

1. Algodão Cru (31%)

pasted-image-0 10 exemplos de Landing Pages com taxa de conversão acima de 31%

Vamos começar com uma Landing Page da Algodão Cru. Eles conseguiram o feito de se destacar em meio à enxurrada de ofertas que antecedem a Black Friday perguntando aos usuários qual curso de costura disponível no blog de moda deveria entrar em promoção. De cada 10 pessoas que visitaram a página, três completaram a pesquisa 

Duas táticas contribuíram para o sucesso da campanha. A primeira foi a escolha a dedo do público que receberia a oferta: apenas quem já havia comprado anteriormente e se interessou pelo produto nos últimos 90 dias, mas não o adquiriu.

mensagem também foi fator decisivo para o desempenho da página. Com a intenção de saber a opinião do usuário sobre qual curso ele gostaria de ver na Black Friday, a pesquisa engajou a audiência.

2. Quanto Sobra (44%)

quanto-sobra-1 10 exemplos de Landing Pages com taxa de conversão acima de 31%

Vídeos vieram para ficar, inclusive nas Landing Pages! A Quanto Sobra, que oferece um sistema de gestão online, investiu no formato para explicar passo a passo como usar a Planilha de Cadastro de Clientes e Fornecedores – desenvolvida pela empresa e acessada por meio de uma Landing Page. O macete explica em parte o sucesso da LP, cuja taxa de conversão foi de 44,1%!

O mais interessante é que a planilha é umas das funcionalidades do produto da Quanto Sobra. Logo, deixa para o usuário um gostinho de “quero mais” e funciona como uma oferta fundo de funil.

3. Associação Evangelizar é Preciso (46%)

evangelizar-C3A9-preciso 10 exemplos de Landing Pages com taxa de conversão acima de 31%

Associação Evangelizar é Preciso teve um ótimo senso de oportunidade ao criar a Landing Page Pedidos de oração.

A ideia foi criar uma página com pouco texto e sem imagens. Primeiro, para que as pessoas se concentrassem em preencher o formulário. Segundo, por saber da existência de um público grande no interior do Brasil, que acessa pelo celular com conexão de baixa velocidade.

A Landing Page foi divulgada na plataforma de atendimento automático do WhatsApp, colocando a opção “pedido de oração” no menu do bot. Não foi usada mídia na paga na divulgação da página que, mesmo assim, obteve 46% de conversão. Mais um exemplo de como conhecer o seu público é essencial!

4. EVO (57%)

screencapture-promo-w12-br-kit-para-combater-a-sazonalidade-2019-09-13-17_33_26 10 exemplos de Landing Pages com taxa de conversão acima de 31%

A EVO oferece softwares de gestão que possibilitam a visão sistêmica em academias, estúdios ou boxes. Nessa Landing Page, eles apostaram no conjunto visual + copy para gerar ainda mais conversões.

O resultado foi incrivelmente assertivo: mais de 57% de conversões conquistadas com a divulgação do material através de email, redes sociais e mídias pagas.

O uso de cores complementares ou combinações que proporcionam uma experiência visual agradável ao visitante favorecem a estadia e a absorção do conteúdo. Além disso, a aplicação de botões interativos na LP – que quando clicados redirecionam para o formulário – também mostram ao usuário qual é o objetivo final esperado para aquela página.

5. Crescimentum (63,4%)

screencapture-materiais-crescimentum-br-manha-com-rh-educacao-corporativa-na-transformacao-digital-2019-09-14-01_31_55 10 exemplos de Landing Pages com taxa de conversão acima de 31%

A Crescimentum oferece treinamentos in company totalmente customizados para atender as necessidades de cada organização. Para divulgar o evento presencial “Manhã com RH”, a empresa utilizou uma combinação de diversos recursos – como imagens, ícones, tópicos e textos explicativos – para conseguir convencer seus visitantes. Obteve, assim, uma taxa de 63,4% de conversões.

Diferentemente de materiais com conteúdo online, um evento presencial demanda maior interesse para gerar inscrições. A Crescimentum, sabendo disso, disponibilizou em sua Landing Page argumentos de convencimento aliados a um conjunto de informações que tornaram a página um sucesso.

Nem sempre menos é mais. Saiba o que é importante para seu público e deixe à disposição na Landing Page o necessário para que seu cliente sinta necessidade de converter no formulário – ainda que o necessário seja uma quantidade maior de dados e copy!

6. Medcel (65%)

medcel 10 exemplos de Landing Pages com taxa de conversão acima de 31%

Com o objetivo de aquecer e enriquecer a base de Leads, a Medcel tratou de divulgar o novo material que tinha em mãos: um miniguia com opções de tratamentos para as principais infecções, principalmente via email.

Para incentivar os visitantes a baixarem o conteúdo, a empresa, que oferece cursos preparatórios online para residência médica utilizou o formulário inteligente na LP. A funcionalidade do RD Station Marketing permite perguntar apenas as informações que você ainda não sabe sobre o Lead, reduzindo o atrito na conversão.

taxa de conversão da Landing Page foi de 65%.

7. SIGA Pregão (73%)

pregao 10 exemplos de Landing Pages com taxa de conversão acima de 31%

No lugar de uma oferta técnica ou funcional, a estratégia de marketing do SIGA Pregão, ferramenta voltada para licitações, é realizar ofertas gratuitas relacionadas a valores como impacto social, mudança de vida e impacto emocional.

Para a criação da Landing Page do eBook Como criar um MEI, a empresa recorreu à experiência obtida na criação de outras páginas, usando os modelos disponíveis no RD Station Marketing. A escolha dos elementos e cores foi bem pensada: a página tem cadastro em dois passos, botão de CTA contrastando com a cor de fundo e formulário inteligente.

8. Etalent e Thiago Concer (80,3%)

screencapture-conteudo-etalent-br-etalent-osv-bauru-2019-09-13-17_36_07 10 exemplos de Landing Pages com taxa de conversão acima de 31%

A Etalent é uma empresa de tecnologia especializada na Gestão do Comportamento. Para a divulgação do seu material de análise comportamental completa, eles mostraram que a união faz a força e obtiveram uma taxa de conversão de incríveis 80,3%!

Para garantir força na transmissão da mensagem, a página – que já contava com co-marketing com um dos maiores especialistas em vendas do Brasil – também utilizou uma estratégia de divulgação pouco lembrada por algumas pessoas: a indicação offline.

Durante cursos da “Orgulho de Ser Vendedor”, a página era divulgada pelos professores. O vínculo criado entre professor e aluno geralmente tende a ser de maior confiança. Logo, os alunos já entravam na página mais propensos a se cadastrarem.

A estratégia de trazer empresas parceiras para uma ação de co-marketing também tende a ter resultados bem positivos para a sua LP. Afinal, amplia o poder de alcance da mesma quando se tem duas marcas trabalhando sua divulgação. É importante garantir, no entanto, que os públicos atingidos sejam similares.

9. Oh la la, Dani (84%)

screencapture-materiais-ohlaladani-br-planner-de-viagem-download-2019-09-13-17_34_01 10 exemplos de Landing Pages com taxa de conversão acima de 31%

O blog Oh la la, Dani oferece dicas de viagem e gastronomia, sempre associadas à língua francesa, para seus seguidores. Um de seus materiais, o planner de viagem, decolou e gerou 84% de conversões com uma Landing Page quase inteiramente feita de imagens.

A escolha de inserir grande parte das informações no formato de imagem colaborou para deixar o material ainda mais atrativo – já colocando o usuário no clima do conteúdo que está sendo oferecido.

Se quiser surfar essa mesma onda, lembre-se: insira imagens leves e que serão carregadas mais rapidamente. Só não deixe que elas sejam o ponto central da sua página e garanta que o usuário entenda que a ação principal é preencher o formulário de conversão – assim como o blog da Dani fez!

10. Silhouette (96%)

silhouette 10 exemplos de Landing Pages com taxa de conversão acima de 31%

Por fim, vale ressaltar que fazer uma oferta digital é uma escolha comum entre quem investe em Marketing Digital. Planilhas, eBooks, templates… Certamente, você já encontrou algum desses formatos por aí.

Porém, exemplos como o da Silhouette Brasil demonstram porquê devemos ir além!

A empresa de produtos para artesanato resolveu inovar com uma oferta de grande interesse do seu público-alvo: um arquivo digital de uma caixinha que poderia ser impressa, montada e usada para finalidades diversas.

Na hora de montar a LP, utilizou títulos claros e objetivos, além de uma imagem de como o produto ficaria após a montagem. Já o formulário leva apenas quatro campos, com perguntas voltadas ao nicho em que o público está inserido.

taxa de conversão obtida foi impressionante: incríveis 96%! E tem mais: apesar da alta taxa de conversão, a página foi divulgada somente de forma orgânica, em canais como Facebook e Instagram.

Fonte: https://bit.ly/2FztJ0T

Notícias da Semana: Google revela as perguntas que você deve fazer para avaliar seu conteúdo

postado em: Marketing Digital | 0

Google-revela-as-perguntas-de-brasileiros-mais-feitas-para-o-buscador-1130x5801 Notícias da Semana: Google revela as perguntas que você deve fazer para avaliar seu conteúdo

Mais uma vez, a empresa dá dicas sobre o que seus algoritmos levam em consideração para ranquear as páginas da internet

O post de hoje é sobre autoconhecimento. Mais especificamente, sobre o quanto você conhece a respeito do seu próprio conteúdo. Ainda mais especificamente, sobre o que a sua empresa oferece para o mundo através dos seus canais, sites e redes sociais. Sim, porque sabemos que você é uma pessoa de muito conteúdo.

O bom é que você vai perceber que são perguntas bem relevantes, que ajudarão a mostrar se o seu blog tem o que é preciso para agradar os leitores. Ok, os critérios são do Google, mas a empresa já mostrou que tem muito apreço por textos escritos para humanos – e não para os seus robôs.

Também vale lembrar que, em breve, será difícil diferenciar humanos e robôs. Inclusive, recentemente, falamos aqui no giro semanal sobre uma vitória histórica no pôquer de uma inteligência artificial sobre grandes campeões do carteado. Se serve de consolo, algumas pessoas defendem que vivemos numa simulação de computador.

Enquanto não sabemos a verdade definitiva, e até mesmo para nos prepararmos para o domínio das máquinas, vale a pena ficar informado sobre as novidades de tecnologia e marketing digital. Assine a nossa newsletter para receber, toda sexta-feira, o melhor do nosso conteúdo! Sim, a gente fez as perguntas do Google, que virão a seguir.

As 20 perguntas do Google para você analisar o seu site

De tempos em tempos, o Google resolve dar dicas de como seu algoritmo funciona. Nunca é algo muito direto, embora historicamente os profissionais de SEO saibam quais fatores de ranqueamento importam mais. Nesta semana, um post no blog da empresa voltado para webmasters trouxe novas orientações sob o formato de perguntas.

Perguntas que, no caso, você deve fazer a si mesmo. São 20 questionamentos para que você avalie seu próprio conteúdo. Mas, não se preocupe: não é nada que leve a uma crise existencial! A ideia é usá-las paralelamente às orientações tradicionais para que seu site seja melhor avaliado pelos algoritmos.

O post do Google fala, principalmente, com gestores de páginas que estão preocupados com quedas nas páginas de resultados. Ele explica que isso pode ocorrer devido a uma gama de fatores e, também, que nada é definitivo. As tais 20 perguntas serviriam para que o webmaster avalie o que pode estar errado.

Os questionamentos sobre o conteúdo foram divididos em 4 tipos. Veja todas elas a seguir:

Perguntas sobre o conteúdo e a qualidade

  • O conteúdo mostra informações, relatos, pesquisas ou análises originais?
  • Ele inclui uma descrição significativa, completa ou abrangente do assunto?
  • O material apresenta análises relevantes ou informações interessantes e originais?
  • Quando o conteúdo é baseado em outras fontes, você evita simplesmente copiar ou reescrever e adiciona valor e originalidade ao material?
  • O cabeçalho e/ou o título da página exibem um resumo descritivo e útil do conteúdo?
  • Você evita o uso de termos exagerados ou chocantes no cabeçalho e/ou título da página?
  • Esse é o tipo de página que você adicionaria aos favoritos, compartilharia com um amigo ou recomendaria a alguém?
  • Você esperaria ver esse conteúdo em uma revista, enciclopédia ou livro impresso?

Perguntas sobre o nível de especialização

  • O conteúdo apresenta as informações de maneira confiável, com indicação clara da fonte, evidências do uso de conhecimento especializado e dados sobre o autor ou site da publicação (como links para uma página de apresentação)?
  • Se você fizesse uma pesquisa sobre o site que produz o conteúdo, ficaria com a impressão de que ele é confiável ou amplamente reconhecido como uma autoridade no assunto?
  • O material é escrito por um especialista ou entusiasta que comprovadamente conhece bem o tema?
  • O conteúdo tem erros factuais que podem ser facilmente verificados?
  • Você confiaria neste conteúdo quanto a questões relacionadas às suas finanças ou sua vida?

Perguntas sobre apresentação e produção

  • Há problemas de ortografia ou estilo?
  • O conteúdo foi bem produzido ou parece ter sido feito às pressas ou com pouco cuidado?
  • O conteúdo é produzido em massa ou de maneira terceirizada por muitos criadores? Ele está espalhado por uma grande rede de sites? Esses fatores costumam fazer com que a produção de páginas e sites específicos seja menos cuidadosa.
  • A página tem uma quantidade excessiva de anúncios que distraem o usuário ou interferem no conteúdo principal?
  • O material é exibido corretamente em dispositivos móveis?

Perguntas comparativas

  • O conteúdo oferece um valor significativo quando comparado a outras páginas nos resultados da pesquisa?
  • O conteúdo atende aos interesses dos visitantes do site, ou parece que o material só foi feito com o objetivo de melhorar a classificação da página nos mecanismos de pesquisa?

Bom, depois de todas essas perguntas do Google, só nos resta fazer uma avaliação profunda de nossos conteúdos. Não esqueça de visitar o post original, que tem umas indicações espertas de leitura sobre SEO.

Fonte: https://bit.ly/2kWTEG3

12 autores de marketing que você precisa conhecer (e ler!)

postado em: Marketing Digital | 0

Ao estudar esses escritores e suas principais obras, você consegue dar um passo na carreira para chegar mais perto de onde eles chegaram

Este não é um post com dicas para fazer marketing. Aqui não falaremos da importância do marketing para as empresas. Também não escreveremos nenhum passo a passo, nem oferecer tutoriais. A proposta é ensinar por meio de uma outra ótica: aprendendo com os melhores, com os autores de marketing mais lidos na história recente.

Quem trabalha com marketing vai reconhecer alguns dos nomes que citaremos no texto. Todas as obras que selecionamos aqui foram escritas pelas maiores feras de suas áreas. Eles não são necessariamente profissionais de marketing por formação. O que os une é a maneira como seus trabalhos impactaram o mundo do marketing, deixando verdadeiras lições para quem atua na área.

E o sucesso que fizeram não foi em vão: escolhemos 12 livros que se tornaram referências no mercado quando o assunto é divulgar uma marca, conquistar o público-alvo e criar relacionamento com os clientes.

Sem mais delongas, confira nossa seleção dos autores de marketing mais lidos nos últimos tempos e suas principais obras.

1. Gary Vaynerchuk

Gary-Vaynerchuk 12 autores de marketing que você precisa conhecer (e ler!)

Gary Vaynerchuk é uma lenda das redes sociais, com milhões de seguidores no Twitter e no YouTube.

Ele se destaca por seu trabalho mesmo em um mundo no qual se tem informação demais e tempo de menos para conquistar a atenção do público.

:: Confirmado: Gary Vaynerchuk vem ao Brasil para o RD Summit 2019

Em Nocaute, Vaynerchuk compartilha seus conselhos sobre como se relacionar com seu cliente e vencer a competição na era das redes sociais.

Sua obra e seu trabalho em geral são cases de sucesso para empresas que querem se firmar no louco e cruel mundo das redes sociais.

2. Seth Godin

Seth-Godin 12 autores de marketing que você precisa conhecer (e ler!)

Seth Godin é autor de 18 livros bestsellers, que foram traduzidos para mais de 35 idiomas. Seu blog é um dos mais populares do mundo!

Dentre os títulos publicados, citamos uma grande obra, chamada Marketing de Permissão, no qual fala justamente sobre conceitos-chave para quem quer fazer marketing voltado a um consumidor que não é mais o mesmo.

3. Marc Benioff

Marc-Benioff 12 autores de marketing que você precisa conhecer (e ler!)

Para quem não o conhece, Marc Benioff é “apenas” considerado o pai das indústrias de software como serviço e de computação na nuvem.

Em sua grande obra, Behind the Cloud, Benioff conta como tirou do papel um conceito poderoso e se diferenciou dos seus competidores criando o armazenamento em nuvem.

Para quem precisa fazer marketing inovador, não tem inspiração melhor.

4. Philip Kotler

Philip-Kotler 12 autores de marketing que você precisa conhecer (e ler!)

Com um extenso currículo, incluindo dois pós-doutorados, Kotler se tornou professor universitário em 1962.

Em 1967, publicou o que os profissionais consideram hoje a bíblia do marketing: o livro Administração de Marketing.

Desde 1988, o americano é titular da cadeira de Marketing Internacional na Universidade de Northwestern.

Nesse ínterim, publicou outros livros, dentre eles um bastante lido, Marketing 3.0, recheado de opiniões não convencionais sobre o futuro da área.

5. Al Ries e Jack Trout

Al-Ries-e-Jack-Trout 12 autores de marketing que você precisa conhecer (e ler!)

Al Ries e Jack Trout formam uma dupla essencial para quem quer aprender com os melhores autores de marketing.

E como as leis são feitas para serem cumpridas, não dá para deixar de fora As 22 consagradas leis do marketing, livro que escreveram em conjunto.

É a melhor compilação dos mandamentos do profissional de marketing atual.

6. Joe Pulizzi

Joe-Pulizzi 12 autores de marketing que você precisa conhecer (e ler!)

Joe Pulizzi é empreendedor, palestrante, autor, podcaster e fundador de várias startups, incluindo o Content Marketing Institute (CMI).

Ele é um dos autores de marketing mais reconhecidos, já tendo vários livros publicados. Um que ressaltamos é o Marketing de Conteúdo Épico, no qual fala sobre a importância de criar conteúdos relevantes para seus clientes e de como contar histórias que vão informar, entreter e provocar o seu público.

7. Chip Heath e Dan Heath

Chip-Heath-e-Dan-Heath 12 autores de marketing que você precisa conhecer (e ler!)

Talvez o gene do marketing de sucesso seja de família. Ou pelo menos é nisso que dá para acreditar lendo a obra da dupla de irmãos Chip e Dan Heath.

Os dois são coautores de um dos sucessos absolutos do marketing recente: Ideias que colam.

Como professores e profissionais renomados da área, eles conseguiram criar uma obra definitiva. Ideias que colam é bestseller porque ensina a desenvolver ideias convincentes, duradouras e que ficam grudadas na mente das pessoas.

8. Chris Voss

Chris-Voss 12 autores de marketing que você precisa conhecer (e ler!)

Um bom profissional de marketing também sabe negociar. Por isso, não deixamos de lado um autor muito lido, mas que não é exatamente da área: Chris Voss.

Ele é famoso pelas lições que dá sobre a arte de negociar. E não é para menos: até pelo FBI Voss já passou ao longo da carreira.

No livro Never Split The Difference ele compartilha tudo o que aprendeu e revela quais são as principais habilidades necessárias para que você se torne um ótimo negociador.

9. Adele Revella

Adele-Revella 12 autores de marketing que você precisa conhecer (e ler!)

Se você já sabe a importância de identificar seu cliente real e de trabalhar duro para conquistá-lo, Adele Revella pode ajudá-lo a aprender ainda mais sobre o assunto.

Para ter uma ideia de como é referência no assunto, a autora preside o famoso Buyer Persona Institute e até o perfil dela no Twitter é @buyerpersona (e vale muito segui-la)!

O livro Buyer Personas, principal título de sua carreira, trata justamente de como entender a fundo o seu cliente e fazer a coisa certa para agradá-lo.

10. Fred Reichheld

Fred-Reichheld 12 autores de marketing que você precisa conhecer (e ler!)

Fred Reichheld é palestrante e estrategista de negócios, mais conhecido por suas pesquisas e artigos sobre lealdade como modelo de negócios e marketing de lealdade.

Você já deve ter ouvido falar no sistema de gestão NPS, não é? É criação dele, que também é consultor na famosa Bain & Company.

Seu livro mais lido é justamente aquele no qual ele explica sobre seu sistema, chamado A Pergunta Definitiva 2.0.

11. Jonah Berger

Jonah-Berger 12 autores de marketing que você precisa conhecer (e ler!)

Se você não conhece esse autor ainda, recomendamos!

Jonah Berger é Ph.D. em marketing pela Universidade de Stanford, palestrante popular em grandes conferências e eventos e frequentemente dá consultoria para grandes empresas.

Um livro muito lido do autor se chama Contágio. Nele você pode aprender técnicas para gerar buzz, focadas em negócios com poucos recursos financeiros.

12. Avinash Kaushik

avinash_kaushik 12 autores de marketing que você precisa conhecer (e ler!)

Autor de não, mas de dois (!) best sellers sobre análise de dados de marketing (Web Analytics 2.0 e Web Analytics: An Hour A Day) e um dos maiores evangelistas de Marketing Digital do mundo (Google).

Fonte: https://bit.ly/2Km04Zb

SMarketing: o alinhamento total entre Marketing e Vendas

postado em: Marketing Digital | 0

Existem integrações e ferramentas que fazem a sua empresa a chegar ao SMarketing, trazendo mais resultados com Marketing e Vendas trabalhando juntos

Você já deve ter lido a respeito ou ouvido falar de SMarketing. Pode ser que tenha encarado como um erro de pronúncia ou de digitação. No entanto, o termo é esse mesmo, uma aglutinação das palavras Sales e Marketing. Se tivessem me perguntado, eu teria sugerido Markales, conferindo um maior equilíbrio entre as áreas de Vendas e Marketing.

Ninguém me perguntou, porém, e o termo pegou — o que prova, mais uma vez, que eu estou errado. E SMarketing, apesar da grafia privilegiar os marqueteiros, é justamente o estágio em que os dois setores trabalham em harmonia dentro de uma empresa. “Pfff, isso é impossível!”, você pode responder, caso tenha a perdido a fé — o que é compreensível.

Para reverter esse sentimento, que é bem comum no mercado, publicamos este post. A ideia é que, após terminar a leitura, você deixe de encarar o SMarketing como um ente imaginário e trabalhe para chegar lá!

SMarketing: muito mais que uma sigla esquisita

Bom, como dissemos acima, apesar da sigla puxar a sardinha mais para um lado, SMarketing é quando Vendas (o S vem de Sales, em inglês e português empresarial) e Marketing atuam de forma alinhada. Ou seja, ambas as áreas precisam estar igualmente engajadas para atingirmos esse estágio.

É muito comum, contudo, que vendedores e profissionais de Marketing tenham restrições uns em relação aos outros. Isso é particularmente verdadeiro em meses em que as metas não são atingidas, na definição do que é um Lead qualificado e quando os times se enfrentam em disputas esportivas do torneio interno da empresa.

“Mas como eu chego nesse negócio de SMarketing? Não é mais fácil todo mundo se unir e culpar o time de pré-vendas, que fica no meio-campo, quando as coisas dão errado?” Sim, é de fato mais fácil fazer isso, mas não vai levar a nada. Vale mais a pena ter um trabalhinho e construir o SLA entre as áreas.

SLA entre Marketing e Vendas: fundamental para o SMarketing

SLA? Sim, mais uma sigla, para Service Level Agreement (ou, em português não-empresarial, Acordo de Nível de Serviço). Pode ser feito entre quaisquer áreas de uma empresa, porém o mais comum é o SLA entre Marketing e Vendas.

Em resumo, é um contrato que define responsabilidades e expectativas de cada time, principalmente sobre quantidade e qualidade dos Leads passados de Marketing para Vendas. O SLA aborda, também, os passos dos vendedores no follow-up desses Leads.

Ele pode conter, ainda, as metas de cada uma das áreas, evitando o desalinhamento de expectativas. É primordial, aliás, que esse documento esteja facilmente acessível por todos os envolvidos. A ideia é, justamente, que não seja um segredo.

Fundamentalmente, ele deve apontar o que é um MQL (Marketing Qualified Lead) e um SQL (Sales Qualified Lead). Ou seja, quando um Lead é considerado qualificado pelo time de Marketing para ser passado para Vendas, e o que é preciso para Vendas aceitá-lo.

Como fazer um SLA entre Marketing e Vendas?

A seguir, demos uma adiantada e listamos os 5 passos básicos para construir um:

  1. Defina o número de Leads qualificados que Marketing vai entregar para Vendas
  2. Defina como será a passagem do Lead para o time de Vendas
  3. Defina quais informações do Lead o time de Marketing vai passar para Vendas
  4. Defina como será o atendimento do pessoal de Vendas
  5. O que Vendas deve fazer com o Lead

É importante, também, realizar reuniões periódicas para acompanhar o trabalho, discutir as principais dificuldades e revisar o SLA. Elas ajudam, principalmente, o Marketing a entender como Vendas lida com os Leads passados e o que pode ser feito para melhorar.

Todo mundo ganha com o SMarketing

Se lhe pareceu complicado iniciar o processo de construção de um SLA entre Marketing e Vendas para chegar ao SMarketing, saiba que não apenas uma impressão: é difícil mesmo. Vai ser um período de negociações intensas e debates em que as áreas tentarão incluir algo que as faça “levar vantagem”. Mas sabe o que vai sair disso tudo? O equilíbrio.

E sabe quem vai ganhar com isso tudo? Todo mundo. O alinhamento entre Marketing e Vendas resolve dores das duas áreas, que passam a trabalhar juntas com metas e números claro, além de processos compreendidos por todos. A documentação via SLA é uma forma de consulta rápida, mas com o SMarketing os times praticamente internalizam as ações.

Com as reuniões de revisão e análise de resultados, a aproximação fica ainda mais evidente. Assim, a compreensão de que as áreas se complementam — e definitivamente não são rivais — fica mais clara. O resultado costuma vir em forma de aumento de produtividade, melhor funcionamento do funil e metas batidas!

Ferramentas que ajudam o SMarketing

Feito o SLA e aproximadas as áreas, entra em cena a tecnologia para o Smarketing. Ter ferramentas integradas de Marketing e Vendas facilita a manutenção desse alinhamento. Com processos claros e dados visíveis para todos, evitamos conflitos e desencontros.

A Resultados Digitais oferece a plataforma RD Station, com dois softwares que funcionam de forma totalmente integrada: o RD Station Marketing e o RD Station CRM. Eles podem ser testados gratuitamente, para que os benefícios possam ser avaliados sem compromisso.

Aliás, o CRM vai além do teste gratuito, tendo uma versão que é gratuita para sempre! Se o seu time de Vendas ainda usa planilhas e tem informações perdidas por todos os lados, ele é uma boa opção para pôr os seus processos em ordem.

Fonte: https://bit.ly/2M6BM7P