Afinal, você sabe o que é confidencialidade?

postado em: Marketing Digital | 0

Se há um benefício na vida profissional de um consultor que reconheço é a chance de observar várias realidades corporativas distribuídas por distintos segmentos, portes e culturas organizacionais. Em particular, sempre tentei aproveitar estas situações e conhecer melhor as particularidades – algumas vezes muito distantes e, ao mesmo tempo, interessantes – das minhas experiências. Lógico que também escuto mazelas, sejam sobre a estruturas da organização, contextos de mercado ou ainda, relações pessoais.

Mas uma delas sempre me impressionou pela reincidência com que escutei. Independentemente, do porte, segmento ou cultura, sempre ouço a retórica dita: “aqui, nós nos comunicamos mal”. O que, depois de algum tempo, me levou a perceber que não se tratava de uma particularidade da empresa A ou B, mas, sim, de uma das fragilidades humanas apenas potencializada e disseminada dentro do ambiente corporativo. Interesses particulares, falta de governança ou desorientação são algumas das possíveis causas deste mal que parece constante às corporações em quaisquer de seus níveis estruturais.

Muitos bons autores e teóricos já discorreram pensamentos muito bem estruturados e interessantes sobre as falhas da comunicação corporativa. A mim, chama especial atenção a miopia causada por uma das propriedades essenciais da segurança da informação que percebo mal aplicada, não raramente, pelos níveis mais altos da hierarquia das organizações: a confidencialidade.

Segundo definição encontrada na Wikipédia, confidencialidade é a propriedade da informação pela que não estará disponível ou divulgada a indivíduos, entidades ou processos sem autorização. O site ainda complementa que a confidencialidade foi definida pela Organização Internacional de Normalização (ISO) na norma ISO/IEC 17799 como “a garantia que a informação seja acessível apenas àqueles autorizados a ter acesso[1]”.

Creio que vale a pena reler a última frase do parágrafo acima, pois é onde parece residir, na má interpretação desta, a essência da questão. Confidencialidade é, por conceito, a necessidade de que as informações corretas cheguem às pessoas certas. A dificuldade parecer estar, então, em conseguir conectar corretamente estes dois grupos. E, diante do medo de errar, não raro se percebe confundirem a confidencialidade com a supressão da informação que, na prática, significa a retenção das informações muitas vezes essenciais para a fluência dos processos organizacionais.

Para ilustrar a questão, pense no caso de um alto gerente que não consegue dirimir qual a informação que deve estar restrita ao nível estratégico da organização daquela necessária para seus comandados diretos. Se, no primeiro caso, incorre no risco de deixar vazar informações que deveriam ser restritas – por exemplo, investimentos a serem feitos ou diminuição de equipes – no outro, onde as informações deveriam estar, mas não estão acessíveis à equipe, pode-se ter paralisia nos processos operacionais acarretando no curto prazo em retrabalhos, desgastes e ineficácia. No médio prazo, esta dificuldade pode ainda trazer perda da credibilidade e confiança da equipe perante este nosso gerente.

Para minimizar estes riscos e buscar tratar a confidencialidade de melhor forma na sua organização, é recomendado observar bem estes três cuidados fundamentais:

1 – Desenvolva e divulgue a política de classificação das informações: o conhecimento disseminado desta política é essencial para o entender como classificar e tratar cada tipo de informação

2 – Garanta a aplicação desta política: uma vez conhecido o modelo desta classificação, o grande desafio é fazer com que suas orientações sejam adotadas como regras em toda troca de informações, sejam em sistemas, e-mails ou quaisquer outras comunicações

3 – Maturidade e bom senso: não raro determinadas informações ficam em ponto limiar entre um nível de classificação ou outro, como, por exemplo, “uso interno” ou “pública”, demandando capacidade de antevisão do seu responsável quanto aos possíveis desdobramentos na forma em que se optar por tratá-las.

É verdade que não é um conceito simples de aplicar, especialmente, para um gerente de projetos de TI e ainda mais para gerentes de projetos de segurança, pois o rigor e cobrança por precisão crescem constantemente e, por isso, são necessários cuidados redobrados. A vida em sociedade se encarrega constantemente de nos ensinar quanto às consequências de não “filtrar” corretamente as informações certas para as pessoas certas. No entanto, é este mesmo bom senso, somado a competência que se pressupõe dos profissionais que alçaram as posições mais altas na hierarquia das corporações, que deve sustentar a correta distribuição da informação para permitir fluir as operações de suas empresas com a devida segurança e agilidade.

Pode contar isto para todo mundo!

Fonte: https://goo.gl/D7y5Nd

A importância da jornada do cliente na era da transformação digital

postado em: Marketing Digital | 0

O mercado tem discutido sobre o que as empresas têm desenvolvido acerca de inovação para transformarem digitalmente seus negócios. Além dos benefícios em suas operações, o que as companhias podem extrair de mais valioso para se aproximar de seus clientes e alavancar as vendas?

A principal estratégia está relacionada à análise da jornada do cliente. O processo elenca, a partir da tecnologia, por quais maneiras e canais uma pessoa chegou à sua marca. Isso porque, até um tempo atrás, as empresas apenas tinham a visão interna do processo –  como um cliente comprava e pagava pelo produto.

Hoje a inovação possibilita que as empresas avaliem essa jornada de fora para dentro. Com isso, se tornou mais fácil compreender as preferências e a rotina dos clientes e como chegaram a determinado mercado.

E por que esse processo é importante? Em uma era no qual a concorrência é acirrada e as empresas precisam de diferenciais, que vão além do preço de seus produtos, o conhecimento das preferências do cliente e a maneira pela qual ele chega ao momento da compra se torna essencial para atraí-lo, fazendo o melhor uso dos recursos que a transformação digital pode oferecer.

Segundo pesquisa da Forrester, em previsão sobre a experiência dos usuários para 2017, está difícil determinar o limite entre os ambientes digital e físico e de como tecnologias emergentes, como realidade virtual e chatbots operados por inteligência artificial estão ganhando espaço. A ascensão do chamado customer experience management se torna fundamental para direcionar o desenvolvimento dessas inovações nas companhias e facilitar a efetividade desses processos, garantindo o sucesso com os consumidores.

O varejo tem percebido essa necessidade e apostado no mapeamento de clientes em um movimento recente. De acordo com a Forbes, consumidores habituados ao comportamento omnichannel têm a tendência de fazer mais investimentos em uma loja do que aqueles que apenas compram produtos a partir de um único canal. O primeiro perfil é formado por um público exigente, que pode abandonar o costume de frequentar um estabelecimento físico para comprar apenas via e-commerce ou deixar de adquirir produtos de uma marca caso tenham uma experiência ruim. Segundo o veículo, “se as empresas conseguem ganhar a confiança desses consumidores, eles podem se tornar extremamente valiosos”.

Apesar da força do varejo no mercado mundial, o setor mais maduro no Brasil é o bancário. As companhias já perceberam a necessidade de facilitar as transações e disponibilizaram aplicativos intuitivos e de fácil acesso. Essa mudança não se limita apenas ao ambiente online. Quando alguém vai abrir uma conta, por exemplo, já é possível perceber que os processos nas agências bancárias estão mudando. Os serviços que antes eram realizados por diferentes equipes hoje estão organizados de maneira a interagir com o cliente mais rapidamente conforme suas necessidades, com menos pessoas para atendê-lo de ponta a ponta.

A transformação digital é uma tendência que está dominando o mercado exatamente por, a partir de ferramentas e técnicas inovadoras, auxiliar empresas a atingirem seus objetivos e a conexão com seu público. A análise da jornada do cliente auxilia marcas mapear e oferecer um serviço customizado, além de manter mais engajamento e fidelidade.

 

Fonte: https://goo.gl/M55o5j

12 dicas para ajudar a planejar sua loja online

postado em: Marketing Digital | 0
Você decidiu abrir uma loja online. Provavelmente está empolgado e cheio de ideias, mas também um pouco intimidado. Se está for sua primeira experiência com e-commerce, você não quer perder seu valioso tempo e dinheiro em ferramentas e tarefas que não irão fazer a sua loja funcionar da forma mais rápida, eficiente e econômica possível.

Então, vamos pelo começo e apresentar um plano antes de abrir uma loja online. De acordo com artigo de Judith Kallos, coach de negócios e consultora de WordPress, existem algumas questões básicas a serem consideradas antes de começar a colocar a mão na massa.

Seja adicionar o e-commerce a um site existente (como vender no WordPress com o WooCommerce) ou configurar uma nova loja online do zero, um pouco de planejamento prévio poderá fazer uma grande diferença para o sucesso de sua nova empresa.

  1. Certifique-se de que seu produto ou serviço faz parte de um nicho.

As melhores ideias nascem de passatempos, interesses e paixões, em que o proprietário da loja eletrônica viu uma oportunidade porque ninguém mais estava presente nesse nicho específico. Ou melhor ainda, eles sabiam, de fato, que, com muito trabalho e dedicação, poderiam fazê-lo melhor!

Não subestime o poder do nicho.

  1. Pesquise sua concorrência.

Antes de abrir uma loja online, é melhor investigar a concorrência. Faça uma busca pela Internet inserindo duas ou três palavras-chave ou frases que seus clientes-alvo provavelmente usarão para encontrar os tipos de produtos ou serviços que você pretende vender online. Em seguida, note as centenas de milhares (ou milhões) de páginas já online fazendo o mesmo.

Se os números são esmagadores, você precisará se tornar ainda mais de nicho ou planejar ser um comerciante competitivo e agressivo – o que custará tanto em dinheiro quanto em tempo.

Veja o que seus concorrentes já estão fazendo com sucesso (note se há uma abertura para fazer algo melhor) e como você pode integrar esses conceitos de uma maneira única ou diferente.

  1. Crie seu perfil de precificação.

Você pode ser competitivo e ainda obter lucro depois de levar tudo em consideração? Certifique-se de incluir todos os seus custos para obter uma resposta: Certificado SSL, hospedagem, plataforma, domínio, e-mail, temas, plugins, extensões, complementos de módulos, taxas mensais, gateways de pagamento, taxas de processamento de cartão de crédito, publicidade, inventário, material de embalagem, etc.

  1. Desenhe seu programa de envio.

O processo de envio e entrega dos produtos pode ajudar a criar ou a quebrar uma loja de comércio eletrônico. Ao se preparar para abrir uma loja online, pergunte a si mesmo:

  • Quais opções de transportadora você vai oferecer?
  • O produto será enviado de acordo com o peso e a localização ou você irá trabalhar com taxa fixa?
  • A sua fórmula de envio é baseada no tipo de produto?
  • E quanto a uma taxa de manuseio?
  • Você estará enviando globalmente?
  • Em caso afirmativo, quais procedimentos e políticas alfandegárias você precisa considerar?

O envio não deve ser um centro de lucro e precisa ser razoável. A percepção de tarifas de transporte excessivamente elevadas é uma das principais razões pelas quais os clientes abandonam seus carrinhos de compras.

Existem ferramentas de e-commerce no mercado que possuem opções de métodos de envio embutidos, ou permitem que você adicione rapidamente suas preferências – desde o transporte gratuito até a transportadora em tempo real e calculado.

  1. Defina sua política de devolução.

Isso precisa ser claro, detalhado e prático, de modo que, se você tiver experiência de retorno, seus clientes podem facilmente encontrar o que precisam e saber quais são os critérios para que um retorno seja aceito.

  1. Crie sua política de privacidade.

Você deve ter uma política visivelmente publicada que indique o que você faz com a informação do seu cliente. Isso facilita a construção da confiança. Nunca coloque uma coisa nesta política e depois faça outra. Seja honesto, direto e indique exatamente como você gerenciará, distribuirá e usará informações do cliente.

  1. Reforce sua política de segurança.

Sua política de segurança deve explicar o que você faz, em detalhes, para proteger as informações de pagamento do seu cliente. Explique que você está em servidores seguros com SSL e por quê. Você é protegido por um serviço de verificação de terceiros? Quanto mais informações você puder fornecer, melhor para passar a confiança que seus clientes precisam para que eles compartilhem seus dados sensíveis com você.

  1. Garanta fotos dos produtos.

Quando se trata de vender online, os detalhes visuais podem fazer toda a diferença. Seus produtos devem ter fotos de qualidade. Existem muitos recursos excelentes para aprender a tirar as melhores fotos do produto.

Você também pode verificar com seus fornecedores para ver se eles têm fotos que você pode usar.

  1. Escreva as descrições dos produtos.

As descrições genéricas não são o suficiente, e nem as que são iguais às de todo mundo que vende a mesma coisa que você. São necessários detalhes, tamanhos, cores e dimensões, juntamente com alguns bons trocadilhos de marketing que fazem com que o cliente potencial perceba que eles precisam, querem, devem ter esse item!

Você vai acessar e organizar seus produtos você mesmo? Caso contrário, planeje contratar alguém para criar uma planilha ou fazer a entrada de dados para você (a terceirização pode ser sua melhor opção).

  1. Desenvolva um plano de marketing e orçamento.

Desenvolva um plano e orçamento de tempo e de dinheiro para divulgar sua nova loja online. O que você vai fazer para colocar o seu site “lá fora”? Não existe apenas “construí-lo e eles virão” no mundo online – você terá sorte se você for encontrado com essa abordagem. Sim, depois de abrir uma loja online, você pode começar a promovê-la sem gastar um centavo.

Se você quer levar muitos clientes de forma mais rápida para o seu site de comércio eletrônico, porém, talvez seja necessário investir em algum marketing.

As campanhas de pagamento por clique podem ser executadas desde algumas centenas a milhares de reais por mês, dependendo da competitividade do seu mercado. Executar campanhas de publicidade paga em mecanismos de busca e sites de redes sociais também exigirá um tempo para testar e sintonizar.

Definitivamente vale a pena gastar tempo descobrindo e brincando com todas as suas opções e, assim, criar um plano de marketing sólido antes de abrir uma loja online.

  1. Crie um plano de ação de atendimento ao cliente.

Sua agenda precisará incluir tempo para impressão, processamento e embalagem de pedidos. Isso por si só pode demorar muito quando é feito corretamente. Além disso, se você fez um trabalho digno de se espalhar a notícia sobre o seu site e-commerce, você precisará orçar algum tempo para responder as perguntas de e-mail de clientes, atualizações de status do pedido e a inserção dos detalhes de envio. Alguns detalhes que você pode considerar antes de abrir uma loja online:

  • Como você vai mandar aos clientes a confirmação de envio desejada? Começar com um modelo de e-mail com antecedência pode economizar tempo mais pra frente.
  • Como você vai lidar com perguntas ao telefone? Você terá uma linha telefônica comercial separada?
  1. Investigue opções de pagamento.

Antes de abrir uma loja online, você deve pensar em como vai receber o pagamento (um ponto um tanto importante, não é mesmo?). Algumas plataformas oferecem soluções de pagamento integrado. Você deve considerar as seguintes questões:

  • Você tem uma conta comercial para aceitar cartões de crédito?
  • Quais formas de pagamento você aceita? Cartões de crédito, cheques pessoais, transferências bancárias, ordens de pagamento?
  • E o Mercado Pago ou PayPal?
  • Você tem um gateway de pagamento para verificar, aprovar e processar cobranças em tempo real?

É recomendável rever todas as suas opções e as taxas associadas.

Planeje-se para o sucesso

Faça um grande favor a seu negócio à longo prazo e comece a criar e abrir seu próprio e-commerce depois de passar pelas questões acima. Estes são os princípios básicos para te ajudar a planejar antes de abrir sua loja online. Ter esses pontos resolvidos, podem te ajudar na revisão dos recursos, temas, plugins e plataformas para saber quais funcionam melhor para o seu conceito de e-commerce. Portanto, bom planejamento e vendas online!

Fonte: https://goo.gl/XxG46J