A inteligência artificial e o impacto sobre os ERP

postado em: Marketing Digital | 0

Com o constante avanço da tecnologia no mundo, não é de se estranhar que a inteligência artificial (AI) faça parte de uma série de atividades do dia a dia, mesmo que não seja perceptível. No mundo dos negócios, cada vez mais os empreendedores estão implementando práticas tecnológicas para facilitar a rotina e torná-la mais rentável e produtiva. A tendência, com essa inovação, é que a AI se torne cada vez mais, parte importante dos sistemas de gestão das organizações, tornando-os mais intuitivos e proporcionando mais conhecimento aos gestores.

Na era da Transformação Digital, a AI chega aos ERP´s com o intuito de amplificar as visões estratégicas, aumentando a competitividade e colocando as empresas um passo à frente da concorrência do mercado, já que quem não souber lidar com essas transformações, certamente, não alcançará os grandes empresários. Sob a influência da inteligência artificial, muitas organizações podem, por exemplo, programar alertas para que o próprio ERP avise o gestor de que uma meta foi cumprida ou de que algo está errado na empresa e precisa ser solucionado, minimizando, posteriormente, os erros e aumentando os benefícios.

A ideia, nessa relação entre AI e ERP, é fazer com que as máquinas que comportam os sistemas de gestão consigam pensar como os humanos pensariam se fizessem determinada atividade manualmente, mas num curto intervalo de tempo. Até 2020, espera-se que três tecnologias de AI estejam presentes nos ERP´s, que são: automação cognitiva, automação inteligente e visão computacional.

Primeiramente, a automação cognitiva tem foco em atender as solicitações de suporte ao cliente e, quando agregada a um sistema de gestão, pode tomar as melhores decisões para solucionar o problema do consumidor, criando uma certa eficiência e produtividade no processo de resolução, melhorando a satisfação do cliente. Já a automação inteligente não está relacionada apenas a tarefas rotineiras, mas também com situações complexas e inesperadas, já que existe o sistema de processamento de linguagem natural, que envolve a automação da máquina com relação à comunicação com determinado indivíduo. A visão computacional, por fim, oferece grande potencial para se aliar a um ERP, pois ela acompanha as tendências do mercado através de gráficos, tabelas, imagens, vídeos, analisando as melhores formas de trabalhar com esses tipos de dados.

Muitas empresas já utilizam ferramentas de AI em seus sistemas de gestão, como é o caso dos chatbots, softwares que permitem a interação de uma pessoa com um sistema através de texto, o que é aplicado, comumente, em sistemas de atendimento ao consumidor. Além disso, fazer a revisão de documentos jurídicos por parte dos advogados de uma organização ficou mais fácil com a implementação de ferramentas de inteligência artificial, que, além de reduzir o tempo da atividade, aumenta a produtividade dos funcionários.

Fonte: https://goo.gl/Ww8GkB

Transformação Digital: o que a sua empresa tem a ver com isso?

postado em: Marketing Digital | 0
Transformação Digital é um conceito que abrange a sua empresa, mesmo que ela ainda não tenha se conscientizado. Vai além do uso de tecnologias para “resolver problemas pontuais”.

Está associado ao que chamo de “Digital Mindset”: uma completa mudança na forma de entender e aplicar a tecnologia. Abrange a visão sobre como a companhia, as pessoas e os processos deveriam evoluir para conquistar valor para os diversos stakeholders: acionistas, consumidores, funcionários, governo, comunidade.

Transformação digital é uma das tendências mais importantes do universo dos negócios. Orienta sobre como as empresas devem trabalhar, comercializar e inovar para competir numa economia digital em constante mudança. De maneira profunda e irreversível, está modificando as relações entre indivíduos e o próprio ambiente de negócios, impactados por uma ampla gama de desafios, mas também de oportunidades. Compreender em que nível de “maturidade digital” a companhia se encontra é imperativo. Cada estágio serve como um balizador para orientar a mudança de dentro para fora.

Segundo a consultoria tecnológica Altimeter, autora de um estudo que pontua os principais níveis de Transformação Digital em empresas, a consciência acerca da própria realidade auxilia as organizações a: 1) entregar experiências significativas e valiosas para clientes e colaboradores; 2) Desenvolver mentalidade empresarial, modelos e operações para superar concorrentes; 3) Criar produtos e serviços inovadores, reduzindo ameaças de tecnologias disruptivas; 4) Acelerar iniciativas de “go-to-market”, alavancando relevância e retorno financeiro; 5) Desenvolver ações mais efetivas para enfrentar novos competidores.

Conheça os seis principais estágios da Transformação Digital dentro das empresas:

1- Business As Usual (negócios como sempre fizemos)

A maioria das empresas tradicionais se encontra neste nível: trabalham a partir de uma única visão de negócio, legada de gestões passadas; do que lhes é familiar. Elas acreditam que existe apenas um único caminho a ser trilhado. Podemos resumir com a frase: “em time que está ganhando não se mexe.”

2- Present and Active (presente e ativo)

Geralmente, é o estágio em que as empresas estão mais abertas à Transformação Digital. Como o próprio nome diz, elas passam a ser mais ativas. Ações isoladas e dispersas de experimentação e de inovação digital, com foco no desenvolvimento e na melhoria de processos específicos, já começam a ser percebidas. As companhias que se encontram neste nível já contam com agentes de mudança preocupados em implementar tendências digitais nos processos.

3 – Formalized (formalizado)

É o estágio em que o senso de urgência atinge a empresa. As iniciativas tornam-se mais ousadas e os agentes de mudança buscam apoio da direção para novos recursos tecnológicos. A experimentação passa a ser intencional e executada em níveis mais altos na organização. Investimentos estratégicos em pessoas, processos e tecnologias se tornam reais. Começam a surgir insights que guiam a empresa na “estrada” da Transformação Digital.

4 – Strategic (estratégico)

As empresas deste nível já entendem o digital como prioridade. Os agentes de mudança criaram, finalmente, o senso de urgência imprescindível para estimular as transformações. Grupos e equipes de trabalho na organização já reconhecem a importância da colaboração. A transformação digital é parte no desenvolvimento de planos estratégicos, com responsáveis, ações e investimentos definidos.

5 – Converged (convertido)

A Transformação Digital já está no DNA da empresa. Voltadas aos objetivos empresariais e centradas no cliente, as estratégias e ações passam a ser geridas por times dedicados a unificar processos ao passo em que também visam oferecer experiências integradas e consistentes. A nova infraestrutura envolve o desenvolvimento de papéis, expertise, modelos, processos e sistemas para apoiar a transformação como um todo. A tecnologia tem um propósito tanto na integração voltada para o cliente quanto no back-office.

6 – Innovate and Adaptive (Inovador e Adaptável)

A Transformação Digital já não é um caminho a ser trilhado, mas a própria forma como a empresa caminha. Este é o sexto e último estágio. As lideranças reconheceram que a mudança é constante e que a transformação digital se tornou um modelo de negócios. Um novo ecossistema está apto a identificar e agir em relação às tendências da tecnologia e do mercado. O foco agora é sempre inovar e estar pronto para se adaptar às mudanças que ainda estão por vir.

Fonte: https://goo.gl/iRtrwd